sábado, 31 de outubro de 2015

Leonel Fernandes: «Quando se faz o que se gosta tudo parece mais fácil.»

sábado, outubro 31, 2015 15 Comments
Leonel Fernandes tem 33 anos e vive em Chaves. Apesar de ser técnico de saúde nunca escondeu o seu amor pela cozinha, motivo pelo qual decidiu participar no programa MasterChef Portugal, na TVI.

Nesta entrevista, o Leonel fala-nos do que o motivou a participar no concurso televisivo, assim como do seu gosto pela cozinha e das suas ambições.


Quando é que descobriu o seu gosto para a cozinha?
Desde pequeno que gostava de ajudar a minha mãe na cozinha. Ao longo dos tempos fui desenvolvendo e aprendendo a fazer o que no início via fazer a minha mãe e, mais tarde, quando fui morar sozinho, fui pondo a imaginação nos pratos que fazia para receber os amigos.

O que é que o levou a participar no programa MasterChef, na tvi?
Pois, gostando eu de cozinhar, acompanhando já os programas nos outros países, pensei que poderia ser uma oportunidade de aprender mais e uma oportunidade de um futuro profissional.

O Leonel é técnico de saúde. É fácil para si conciliar esse seu trabalho com a cozinha?
Sim, sou Técnico de Saúde Ambiental. Fácil não é, pois há que ter muita organização e fazer com que o dia renda muito. Mas quando se faz o que se gosta tudo parece mais fácil.

Esta foi a segunda vez que concorreu ao programa. Qual o segredo para, desta vez, conseguir chegar aos 15 finalistas?
Persistência e Trabalho. Nada se consegue sem trabalho, há que aprimorar as receitas , conseguir que o que imaginaste, possas pôr no prato e surpreender os jurados. E claro, envolver tudo com muito carinho!

O que sentia cada vez que passava mais um desafio e continuava no programa mais uma semana?
O que sentia cada vez que passava mais um desafio e continuava no programa mais uma semana? Primeiro o sentimento é de friozinho na barriga, aquele nervosinho miudinho. Mas depois vem a felicidade de conseguir.

Como é que se gere a questão do tempo enquanto se cozinha? Acredito que traga uma enorme pressão.
É muito difícil, na verdade para mim era bastante difícil obrigando a uma grande pressão. Mas é uma questão de mentalização e organização. Hoje, depois destas experiências, estarei mais preparado para saber lidar com isso.

Em que é que se inspira quando cozinha?
Inspiro-me nas memórias de família, na minha região e nos fantásticos Chefes portugueses que colocam a nossa gastronomia no mais alto nível.

Por último, que prato melhor o descreve?
Mil Folhas de castanha com espuma de queijo de cabra e maçã caramelizada.


Terminada a entrevista, resta-me agradecer ao Leonel por ter aceite responder às minhas questões e pela sua disponibilidade ao fazê-lo. Podem acompanhar o seu trabalho mais de perto aqui.


sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Respostas #1

sexta-feira, outubro 30, 2015 8 Comments
Olá internautas!
Conforme combinado cá estou eu para responder às questões que vocês me foram colocando ao longo da semana. :)

Perguntas da Carolina Xavier: 

Qual o seu maior sonho? 
Eu sou uma sonhadora, confesso. Tenho imensos sonhos. Mas acho que o maior deles todos é ser mãe, ter uma família feliz e conseguir ter uma carreira no teatro. 

Tem desejo de tornar o seu blog profissional?
Adorava! O meu blog é uma parte de mim. Aliás, o meu blog sou eu. E sinto-me muito feliz por ter pessoas que gostam dele e de ler tudo o que aqui escrevo. Fazer disto profissão seria ótimo porque é algo que me faz feliz e não há nada melhor do que trabalharmos profissionalmente naquilo que nos aquece o coração.

Já pensou em entrevistar blogeiras que têm blogs pequenos ainda?
Sinceramente já. Mas ainda não coloquei essa hipótese porque quero, em primeiro lugar, entrevistar todas as pessoas da minha lista de desejos para entrevistados. Desde pequena que organizo uma lista de pessoas que gostava de entrevistar um dia, quando fosse jornalista. Mas quando criei o blog decidi pôr essa ideia em prática como forma de treino para o futuro e, felizmente, já consegui entrevistar pessoas que nunca pensei que conseguiria.

Perguntas da Ivânia Barbosa:

Acreditas no destino?
Sinceramente, não sei. Não sei se lhe dou o nome de destino. Mas acredito que tudo acontece por algum motivo. Agora podemos não o ver mas daqui a uns tempos entendemos o seu significado. Sou uma total crente de que nada acontece por acaso na nossa vida e que, se aconteceu, então teve um motivo muito forte para ter acontecido.

Qual o teu autor/livro favorito?
Achem lamechas ou não, o meu autor favorito é, sem dúvida, o Nicholas Sparks. Sou completamente viciada nos livros dele! Quanto a um livro favorito acho que nunca tive. Gosto de imensos!

Perguntas da Nina:

Que tipo de jornalismo gostarias de fazer?
Amo jornalismo no geral. Mas talvez jornalismo televisivo.

Sabes cozinhar?
Sei cozinhar quase tudo e adoro! Sou super feliz quando cozinho.

Já recebeste comentários menos próprios?
Felizmente, não.

Perguntas do blog Ela e Ele Ele e Ela:

Como foi a tua primeira entrevista?
Foi complicada, diria. Não sei, é complicado explicar a sensação. Estava super nervosa e tremia por todos os lados. Tinha imenso medo que a voz me falhasse e quando comecei a fazer as questões acho que gaguejei umas quantas vezes ahah

Quais os teus planos para os próximos 5 anos?
Terminar a licenciatura, dedicar um ano somente ao teatro, tirar o mestrado em estudos artísticos.

Perguntas da Andreia Morais:

Viagem de sonho?
Um dos meus sonhos é viajar pelo mundo. Conhecer o máximo de lugares que conseguir! Mas a minha viagem de eleição talvez seja mesmo Nova Iorque.

Comida favorita?
Lasanha, adoro!

Uma coisa que adores mas que as outras pessoas acham estranho?
Hum não sei, Essa pergunta leva-me para a comida ahah, Talvez fígado. Sempre que eu digo que gosto toda a gente faz cara feia e me olha como se eu fosse de outro mundo x)

Foram estas as questões, espero que tenham gostado e que dê para me ficarem a conhecer um bocadinho melhor! Um bom fim-de-semana bloggers!

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

TAG: Complete a frase

quinta-feira, outubro 29, 2015 14 Comments
Boa noite Internautas!
Hoje, excepcionalmente, não vai haver rubrica "personalidade da semana" porque tenho andado cheia de trabalhos e sem muito tempo para o blog o que fez com que não tivesse tido tempo para pensar na personalidade que vos iria trazer esta semana.
No entanto, fui nomeada para uma Tag pela Aline Priscila e decidi usar este post para responder e partilhar com vocês.


Regras da Tag:
- Completar cada frase;
- Repassar para 10 blogs;
- Marcar na postagem quem te indicou;
- Comentar com o link das suas respostas.

Vamos, então, às frases:

Sou muito: Sensível, 
Não suporto: Preconceitos.
Eu nunca; imaginei que a minha vida fosse como é agora
Eu já briguei: por coisas demasiado ridículas
Quando era criança: fechava-me no quarto a cantar e a representar imaginando que era atriz
Nesse exato momento: estou a comer uma fatia de bolo de chocolate que me está a saber pela vida
Eu morro de medo: da solidão.
Eu sempre gostei: de sorrisos, abraços e todas as manifestações de carinho
Se eu pudesse: viajava pelo mundo
Fico feliz quando: as coisas correm como eu quero
Se eu pudesse voltar no tempo: não mudava nada porque tudo o que me acontece tem sempre um propósito.
Adoro: estar no quentinho a ver séries e a comer pipocas
Quero muito viajar: pelo mundo mas principalmente por Nova Iorque, Londres e Brasil
Preciso de: passar a todas as cadeiras deste semestre, já nem peço mais nada
Não gosto de ver: nenhum tipo de violência

Blogs nomeados:




quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Privacidade Online

quarta-feira, outubro 28, 2015 10 Comments
O meu novo artigo para o Repórter Sombra questiona se, de facto, haverá privacidade online. 

«Quando falamos em Internet não podemos deixar de ter em mente a questão da privacidade online. É certo que todas as nossas contas são protegidas por uma palavra-chave, mas será isso suficiente? Será isso impedimento para que invadam a nossa privacidade?
É claro que o facto de termos credenciais que nos permitem ser os únicos a ter acesso aos nossos próprios conteúdos nos acalma, mas, infelizmente, não é suficiente. Atualmente, é cada vez mais fácil conseguirmos corromper a privacidade de alguém sem que essa pessoa esteja à espera e é por esse motivo que devemos ter o máximo cuidado com os dados que revelamos, ou com o que dizemos sobre nós.
Quando falamos neste tipo de crimes, a nossa mente remete imediatamente para os casos de pedofilia, onde as pessoas, através de perfis de Facebook falsos, conseguem descobrir a nossa rotina, ou marcar encontros connosco, a partir de uma identidade falsa. Porém, existem muitos outros crimes para além deste. O facto é que uma simples compra na Internet, por exemplo, pode ser fulcral para uma fraude. É extremamente fácil, através de dados que divulgamos, por acharmos inofensivos chegarem até aos nossos dados mais privados e roubarem-nos o que quiserem. É necessário certificar-mo-nos de que não estamos a fornecer nenhuma informação que nos comprometa.
Se é fácil invadirem a nossa privacidade na Internet, talvez a culpa não seja tanto de quem a invade, mas principalmente nossa. Nós partilhamos constantemente fotografias que revelam o que estamos a fazer, onde estamos, onde estudamos. Se juntássemos todas as fotos que colocamos nas redes sociais numa sequência, rapidamente concluiríamos que toda a nossa vida está lá, para que toda a gente a possa ver. Isso é ter privacidade? Precisamos mesmo de partilhar com o mundo que recebemos o nosso primeiro salário? Precisamos de mostrar o nosso carro novo, ou a nova compra que nos fez tão felizes? Precisamos de partilhar com todos os sítios que frequentamos?

Cada vez mais as pessoas têm tendência a revelar mais sobre a sua vida do que deveriam. Não se limitam a partilhar apenas com as pessoas em quem confiam, mas com toda a gente que tenha acesso às suas redes sociais. Isso não será um atrativo para que invadam a sua privacidade?»

O artigo já está disponível e publicado aqui.   


segunda-feira, 26 de outubro de 2015

100 seguidores!!

segunda-feira, outubro 26, 2015 29 Comments
Olá internautas! :D
Bem, hoje estou muito feliz porque atingi a marca dos 100 seguidores aqui no blog! Como tal, decidi fazer um post diferente como forma de "comemoração". Saber que tenho 100 pessoas a seguir aquilo que faço deixa-me bastante feliz e achei justo dar-me a conhecer um bocadinho melhor já que vocês sabem muito pouco sobre mim.
Sendo assim, gostava que deixassem nos comentários algumas perguntas que gostavam de ver respondidas por mim. Podem ser curiosidades, coisas sobre o blog, sobre a faculdade... Qualquer coisa! Sexta-feira irei publicar as respostas a todas as vossas perguntas. Este post tem o objetivo de vocês ficarem a conhecer-me um bocadinho melhor e de se identificarem (ou não) com alguns aspetos da minha vida. 
Uma vez mais, obrigada por me acompanharem por aqui e pelos comentários tão lindos que tenho recebido. Agora é continuar a fazer o blog crescer e conto com a vossa ajuda para isso! 

Obrigada internautas <3

sábado, 24 de outubro de 2015

Manuel Fernandes: «O baixar as expectativas é sempre um bom método para conseguirmos aquilo que gostamos e precisamos.»

sábado, outubro 24, 2015 18 Comments
Manuel Fernandes, de 32 anos, foi o grande vencedor da segunda edição do programa Masterchef Portugal, na TVI. Começou a cozinhar aos 13 anos -idade em que o seu gosto pela cozinha começou a surgir-, sendo que a cozinha tradicional portuguesa é a sua eleição.

Poucos meses após ter vencido o programa da TVI, Manuel aceitou responder a esta entrevista onde nos fala um pouco acerca do seu gosto pela cozinha, da sua participação no programa e do que espera do futuro.


Como surgiu o seu gosto pela cozinha?
O meu gosto pela cozinha surgiu quando era pequeno. Adorava ajudar as minhas avós e mãe quando era jovem e dessa maneira fui aprendendo e ganhando gosto pela cozinha.

Quando decidiu investir “mais a sério” nesse mundo?
Apenas decidi investir mais "a sério" quando entrei no Masterchef. Não estava à espera de ser seleccionado e o meu gosto pela cozinha fazia com que experimentasse algumas coisas em casa e pesquisasse e estudasse mais umas quantas coisas. Mas foi ao entrar no programa que realmente comecei a perceber que se calhar há espaço para mim no mundo da cozinha.

O que o levou a participar no programa MasterChef?
O Masterchef foi um feliz "acidente". Os meus amigos sempre me incentivaram a participar no programa, na edição anterior não podia porque estava a trabalhar. Nesta edição encontrava-me desempregado e então, por pressão dos meus amigos e das pessoas que gostam de mim, decidi inscrever-me, mas sempre levei isso na desportiva, sabia que as minhas hipóteses eram muito reduzidas e gosto de ter os pés bem assentes na terra.

Esperava chegar à final do concurso?
Quando me inscrevi não esperava sequer entrar no programa. O chegar à final foi uma alegre surpresa. Fui para lá de mente aberta e sem estar à espera de nada, acho que foi isso que me permitiu ficar calmo e concentrado e talvez daí os resultados terem sido bons, o baixar as expectativas é sempre um bom método para conseguirmos aquilo que gostamos e precisamos.

De todas as provas que teve de ultrapassar qual foi a mais difícil?
Ora bem... Eu diria que talvez a prova das crianças. Tivemos de cozinhar para crianças entre os 6 e os 9 anos e são clientes muito exigentes e com gostos peculiares. E como não tenho filhos custou-me bastante perceber o que será que seria melhor para eles e isso fez com que a prova fosse muito difícil. O não conhecer os gostos do público para o qual trabalhamos faz com que a tarefa se torne ainda mais complicada.

O que é que o levou a vencer o programa? Isto é, qual o truque para vencer um programa como o MasterChef?
Eu acho que não há grande truque. Mas como já disse, julgo que baixar as expectativas faz com que fique mais calmo, concentrado e focado para obter um bom resultado. Confesso que nunca foi o meu objectivo ganhar, mas que se acontecesse iria adorar e ainda bem que aconteceu.

Que relação consegue encontrar entre arquitetura e cozinha?
Alguma relação sim. Existe uma necessidade de sensibilidade artística em ambas profissões que têm como objectivo o provocar felicidade ao cliente. Um arquitecto muito conhecido dizia que "os arquitectos são criadores de felicidade", eu diria que os cozinheiros também, simplesmente a velocidade e o imediatismo da cozinha permite que esse criar de felicidade seja mais veloz. Criar uma refeição demora menos tempo que criar um edifício e isso faz com que a profissão de cozinheiro seja menos monótona e mais interessante, no meu ponto de vista claro.

E se tivesse de escolher uma das duas profissões para exercer para o resto da vida, qual seria a primeira opção?
Preferia ser cozinheiro claro. 

O que mais gosta de cozinhar?
Gosto de cozinhar coisas que nunca fiz ou que normalmente não encontro no meu país. Gosto de provar sabores novos e viajar pelo mundo com um prato. Gosto de experienciar e depois tentar replicar em casa. Diria que gosto muito de da cozinha asiática e do médio oriente.

Para terminar, que prato o define?
Acho que ainda não há um prato que me defina. O meu percurso ainda é muito jovem neste ramo, por isso teria que ser um prato simples. Espero que daqui por uns anos  consiga eleger um prato complexo e interessante para me definir, neste momento ainda estou em fase de absorção de técnicas e conhecimentos e por isso em constante mutação.


Terminada esta entrevista, resta-me agradecer ao Manuel por ter aceite responder às minhas questões e por toda a disponibilidade demonstrada desde o início. 
Caso queiram acompanhar o trabalho deste talento português podem seguir a sua página oficial aqui.





sexta-feira, 23 de outubro de 2015

«Diz-me o que lês, dir-te-ei quem és»

sexta-feira, outubro 23, 2015 9 Comments
Já se encontra publicado o meu novo artigo quinzenal para o Repórter Sombra e, como sempre, vim mostrar-vos. Desta vez falo-vos um pouco sobre o poder que a leitura tem em nós!

«Leitura. É isso que estás a fazer ao olhar para este artigo: a ler. Há diversos tipos de leitura, aliás, às vezes há quem leia sem estar, de facto, a ler.
Na minha opinião a leitura tem um efeito super importante não só na nossa educação como também no nosso desenvolvimento intelectual. A verdade é que, quanto mais lemos, mais exercitamos e estimulamos o nosso cérebro, o que acaba por ser determinante para a nossa formação intelectual. Eu acredito que a leitura nos molda e ajuda a definir um bocadinho mais a nossa personalidade. Se nós somos influenciados pela sociedade em que estamos inseridos, também somos, certamente, influenciados por aquilo que lemos. Não é à toa que as pessoas mais informadas são as que mais lêem, as que mais pesquisas fazem e as que mais abdicam de “caprichos” em prol de uma tarde de leitura. Ler também pode ser divertido, aliás, ler é uma mistura de aprender com entreter.
Se ler nos faz mais felizes? Certamente que sim. Talvez, porque nos transporta para outro mundo. Um mundo que nos impede de recordarmos os males da nossa vida e o que mais nos preocupa, porque estamos com a cabeça ocupada e focados naquilo que estamos a imaginar, através da leitura. Imagens. Uma das coisas boas que a leitura nos traz. É impossível lermos alguma coisa sem que o nosso cérebro nos envie imagens do que estaria a acontecer, se, ao invés de estarmos a ler, estivéssemos a viver a história. Isso é a prova de que é impossível não mergulharmos a fundo nas páginas de um livro, ou num simples texto composto por várias palavras. Ela toma conta de nós. Ela domina-nos por inteiro. Uma vez que comeces a ler algo que te cative não consegues parar. É automático e inevitável começares a pensar no que virá a seguir, quereres saltar parágrafos, porque a curiosidade é demasiada e, por vezes, não dá para não te imaginares a viver a história que aquele livro conta.

Ler é uma dádiva. Nem todos tiveram a oportunidade de fazê-lo, porque não tiveram a educação e o ensino que hoje temos. Por este motivo e mais alguns, devemos aproveitar por aqueles que não o conseguiram fazer. Disfrutar ao máximo do prazer que uma leitura nos traz. Sentir o cheiro do papel e viver cada palavra que nos entra pelos olhos. Ler faz-nos sonhar. Por momentos somos alguém que nunca fomos e vivemos coisas que, na vida real, nunca pudemos viver. Sempre que lemos podemos ser alguém diferente, ter outra personalidade e experimentar outra profissão. Quando o fazemos, somos livres para sonhar e ser aquilo que nós quisermos. Já imaginaste como seria se fosses a personagem principal do teu livro favorito?»

Podem ver o artigo aqui. 

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Personalidade da Semana #9: Shay Mitchell

quinta-feira, outubro 22, 2015 7 Comments
Não sei se alguma vez vos disse mas sou viciada em Pretty Little Liars! É das minhas séries favoritas e, como tal, não podia deixar de vos vir falar da atriz que mais gosto de ver lá: Shay Mitchell.


Desde o primeiro episódio da série sempre gostei muito da personagem interpretada pela Shay. Gosto imenso da personalidade que ela coloca na personagem e a forma real como ela a interpreta. É, sem dúvida, a minha personagem preferida na série. A questão é que até fora da série a Shay está na lista das minhas preferências! É das minhas atrizes favoritas e, para além de ser super bonita, consegue entregar-se a 100% a qualquer papel que lhe ponham na mão. Vamos conhecê-la um bocadinho melhor? :p


Shannon Ashley Mitchell nasceu a 10 de abril de 1987, no Canadá. Aos 28 anos orgulha-se de ser uma das mais bonitas atrizes e modelos. 
Shay descobriu esta sua paixão quando ainda era uma criança. Desde pequena que sempre teve uma paixão por artes chegando a afirmar várias vezes perante os pais que um dia ia seguir uma carreira artística. E aqui está ela. Aos 5 anos começou a ter aulas de dança e desde aí nunca mais parou. 
Na sua adolescência começou a trabalhar como modelo desfilando por diversas empresas, em diversos países. Mas isso não a satisfazia por completo. Foi então que tomou a decisão de voltar para Toronto e ir estudar aquilo que mais a fazia feliz: teatro. A sua garra e determinação permitiram-lhe assinar um contrato com a sua primeira agência de teatro. Daí até chegar até nós foi só um passinho.


Começou por participar na primeira temporada da série Hey Tucker! passando depois pela série Glee onde teve uma participação especial no segundo episódio da quarta temporada. Mas foi a série Pretty Little Liars (onde se mantém desde 2010) que lhe deu maior visibilidade. Shay interpreta a personagem Emily Fields, uma das protagonistas da série da ABC Family. Foi nesta série que eu dei pela sua existência e que me identifiquei bastante com ela. Talvez o facto de, tal como ela, também amar cegamente o teatro me tenha feito admirar ainda mais a sua luta e a sua garra.
A Shay é, sem dúvida, uma atriz excelente e se ainda não viram a série aconselho porque é fantástica!


E vocês? Seguem a série?
O que acham da Shay?

terça-feira, 20 de outubro de 2015

A letter for you

terça-feira, outubro 20, 2015 13 Comments

Não sei. Não faço ideia porque estou a escrever isto. Talvez porque sinto uma necessidade enorme de transmitir o que me vai cá dentro através da escrita. Sempre o fiz e acho que sempre o farei.
Sou péssima a lidar com sentimentos, sou péssima a exprimir o que sinto e sou ainda pior a conter as lágrimas.
Talvez um dia consiga dizer-to, talvez um dia te possa abraçar tão forte que o resto do mundo desapareça, talvez um dia... Detesto pensar, os pensamentos são horríveis, fazem-me gelar e ter medo de tudo. Estou farta de pensar o tempo todo num "nós" que não existe. Estou farta dos planos que não se vão realizar, das noites sem dormir, das tardes em que tento estudar e tu não deixas. Estou cansada de tudo. Cansada de sentir a tua falta sem nunca te ter tido. Cansada de te ver em todo o lado, a toda a hora. Estou cansada. Cansada de não conseguir controlar isto. De não me conseguir controlar, de não te conseguir controlar.


domingo, 18 de outubro de 2015

sábado, 17 de outubro de 2015

Miguel Rocha Vieira: «Apenas quero ser feliz com o que faço.»

sábado, outubro 17, 2015 18 Comments


Miguel Rocha Vieira tem 35 anos e é Chef Executivo do Restaurante Fortaleza do Guincho.
Aos 20 anos, Miguel decide deixar Portugal e ir para Inglaterra estudar Gestão Hoteleira. Foi nesse local que descobriu a sua verdadeira paixão: a cozinha. Após se ter graduado começou a trabalhar noutros países até que, em 2008, é convidado para ir para Budapeste abrir o “Restaurante Costes”. Este feito permitiu-lhe -2 anos depois- ganhar uma estrela Michelin. Atualmente é Chef Executivo da Fortaleza do Guincho, em Cascais.

Nesta pequena entrevista, Miguel fala-nos um pouco do seu gosto pela cozinha assim como do seu percurso até hoje.



Com que idade surgiu o seu gosto pela cozinha?
Aos vinte e poucos anos de idade. Como se costuma dizer, “mais vale tarde do que nunca!”

Esse gosto tornou-se rapidamente um desejo de uma profissão futura ou ainda teve pelo meio outras possíveis profissões que quis exercer?
Sim. A partir do momento em que descobri a cozinha nunca mais me passou pela cabeça fazer outra coisa que não cozinhar.

Este seu gosto pela cozinha contou, desde logo, com o apoio dos seus familiares. Como é que eles encararam o seu desejo de enveredar por este caminho?
Foi complicado. A cozinha agora está “na moda” mas, há uns anos atrás não era vista da mesma maneira. Foi complicado aceitarem que eu desistisse da universidade e do meu curso para me matricular numa escola de cozinha mas, mesmo assim, sempre tive todo o apoio familiar.

O que leva um jovem de 20 anos a deixar Portugal para ir estudar Gestão Hoteleira em Londres?
Sede de mundo, vontade de descobrir outras culturas e de viver numa metrópole. Também o facto de não saber muito bem o que fazer e de saber que com um curso tirado lá fora, a facilidade das portas se abrirem em Portugal seria maior.

O que sentiu quando soube que ia poder estudar na escola de cozinha mais prestigiada do mundo?
Fiquei bastante feliz mas também senti o peso da responsabilidade de não deixar ficar mal aqueles que apostaram em mim.

Teve também a oportunidade de trabalhar em outros países. Qual considera que foi o mais importante a nível de aprendizagem?
Todos eles pelas mais diversas razões. Nesta profissão estamos sempre a aprender independentemente do país onde estivermos.

Como é lidar com culturas diferentes e, consequentemente, pratos e sabores diferentes?
Desafiante mas ao mesmo tempo muito enriquecedor.

Algum dia pensou que um dia iria ser galardoado com uma estrela Michelin? O que representa, para si, esse prémio?
Nunca foi um objetivo pessoal. Não passo os dias enfiado numa cozinha à procura de prémios mas sim porque gosto realmente de cozinhar. Representa que alguém está atento ao teu trabalho e acaba por ser um reconhecimento do mesmo.
E relativamente ao futuro, o que lhe falta conquistar? Apenas quero ser feliz com o que faço.
Por fim, que prato se assemelha à personalidade do chefe “Miguel Rocha Vieira”?
Não sei… Marisco?! Algo delicado, cheio de pureza e com muito sabor.



Terminada a entrevista, resta-me agradecer ao Miguel por toda a sua disponibilidade e, acima de tudo, por ter aceite o meu convite. 
Caso queiram acompanhar de perto o seu trabalho e não saibam onde o encontrar deixo aqui o link da sua página oficial.





quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Personalidade da Semana #8: Paul Wesley

quinta-feira, outubro 15, 2015 13 Comments
Se queriam saber quem é a minha paixão platónica parabéns, chegaram ao post em que ela vai ser revelada.
Na rubrica "Personalidade da Semana" desta quinta-feira decidi escolher falar de alguém que, sinceramente, me arranca suspiros até mais não ahah... Refiro-me a Paul Wesley!


Pawel Tomasz Wasilewski ou Paul Wesley -nome artístico escolhido pelo ator- é um ator, produtor e diretor norte-americano.
Acho que já todos ouvimos falar dele nem que tenha sido pela série The Vampire Diaries onde ele interpreta o charmoso Stefan. Sim, foi a partir da série que eu me apaixonei completamente por ele. Não é uma obsessão mas está lá perto acreditem. Adoro-o e é, sem dúvida, dos meus atores favoritos. 


Para quem não sabe, Paul estreou-se em televisão em 1999 com a sua atuação em Another World e Guiding Light. A partir daqui tornou-se bastante conhecido por papéis bastante relevantes em algumas séries sendo que o papel que lhe deu mais destaque ocorreu na segunda temporada de Everwood, onde representou "Tommy Callahan". O sucesso desta personagem foi tanto que lhe garantiu o lugar de protagonista na minissérie Fallen. Sim, se até aqui vocês pertencem à percentagem de pessoas que nunca seguiu o trabalho do Paul, acalmem-se porque eu também não. Aliás, nem tinha ouvido falar sequer. 
Na realidade tudo mudou quando Paul surgiu na série The Vampire Diaries. Na série, ele interpreta o vampiro Stefan Salvatore, o irmão mais novo de Damon Salvatore -protagonizado por Ian Somerhalder. 
Desde o primeiro episódio viciei, apaixonei e nunca mais larguei. Não sei se vocês acompanham a série mas se não o fazem aconselho porque é demais! 


Confesso que escolhi o Paul para hoje após ter visto o primeiro episódio da nova temporada de The Vampire Diaries. Adorei mesmo! 

E vocês seguem a série? Gostam do Paul?
O que acharam do novo episódio?




segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Opinião: «The Spectacular Now»

segunda-feira, outubro 12, 2015 10 Comments

Hoje venho falar-vos do filme que vi neste fim-de-semana.
The Spectacular Now é uma comédia dramática de 2013 dirigida por James Ponsoldt e com Miles Teller e Shailene Woodley nos papéis principais.
Sinceramente, não fiquei com uma opinião certa acerca do filme. Deixou-me completamente confusa. Não sei se gostei ou não. Houve partes que achei super interessantes e cativantes e outras que achei bastante aborrecidas.
Para começar gostei bastante da história em si. A história retrata a vida de Sutter Keely (Miles Teller), que é um jovem estudante que tudo o que quer é viver o presente sem se preocupar com mais nada. É esta sua crença que o leva a estar constantemente bêbedo e a quase reprovar às disciplinas. Não se preocupa com nada na vida a não ser diversão e festas. A sua namorada, Cassidy. não consegue lidar com esta forma dele ver a vida e termina o relacionamento. Depois de perceber que a sua ex namorada já tem alguém, Sutter bebe a ponto de acordar num jardim desconhecido na manhã seguinte. Quem o encontra é uma jovem, Aimee (Shailene Woodley), uma rapariga bastante simples e simpática apaixonada por ficção científica e cheia de projetos para o futuro. É nesta altura que Sutter propõe a Aimee que o ajude a estudar geometria e uma relação estranha nasce entre eles. Acabam por se apaixonar e começam uma relação. 
Sutter foi abandonado pelo pai quando era criança e decide procurá-lo. Encontra-o mas percebe que ele é pior do que estava à espera, não estando preparado para ter filhos e não lhe dando atenção nenhuma. No caminho para casa, Sutter e Aimee têm um acidente e Sutter fica com imensos remorsos. Apesar de Aimee o perdoar, ele começa a achar que ninguém gosta dele e que a presença dele só poderia vir a magoar Aimee. Sendo assim, ele toma uma decisão. No final da formatura, ambos tinham combinado irem estudar para fora do país e viver juntos mas, no momento em que o autocarro chega, Aimee percebe que Sutter desistiu da ideia e a deixou sozinha. Ela acaba por ir embora sem ele e com o coração partido enquanto ele fica na cidade a tentar compor a sua vida. 
Confesso que gostei bastante da história mas certas partes do filme eram um bocadinho aborrecidas. Por outro lado, houve algo que eu não gostei minimamente: o final. Como é óbvio não vos vou contar como é que o filme terminou mas, para mim, o final foi super "sem graça". Daqueles em que tudo fica negro no final e vocês pensam "então mas já acabou?". É, fiquei um bocadinho desiludida com a forma como o filme terminou mas não desgostei do filme em si. De um 1 a 10 provavelmente daria um 6. 
Se ficaram curiosos vejam por vocês mesmos e depois digam-me o que acharam do final e o que mudariam caso não tenham gostado. :)

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Dicas para combater a gripe

sexta-feira, outubro 09, 2015 41 Comments
Olá Internautas! 
Antes de mais peço de desculpa porque ontem era dia de personalidade da semana e eu não pude mesmo vir aqui. Isto deve-se a um simples facto: estou doente. Há uns dias que ando engripada mas ontem piorei e estou quase afónica. É horrível porque tenho feito de tudo e a minha voz está a demorar a voltar ao normal. Mas tenho a certeza que este fim-de-semana em casa me vai fazer bem e segunda já volto cheia de energia!
Explicação dada passemos ao post de hoje. Como estou doente, decidi dar-vos umas dicas de como curar a gripe mais rapidamente, Já comecei a seguir algumas e começo a notar alguns resultados! :)

  • Vitamina C- Desde pequena que os meus pais me habituaram a comer alimentos ricos em vitamina C quando começo a ficar engripada. Há quem acredite que resulta, há quem acredite que não. No meu caso não me custa nada tentar e confesso que antes de a gripe me atacar a sério, a vitamina c já me salvou algumas vezes e evitou que piorasse.
  • Chá quente- Adoro chá! Não é sacrifício nenhum para mim optar por este método. Aliás, eu bebo chá sempre que me apetece seja verão ou inverno, esteja doente ou não. O chá verde é o melhor para quando estamos doentes! Mas claro que deve ser tomado bem quente para produzir mais resultados. Quem não gosta de chá pode sempre optar por leite com mel.
  • Canja de galinha- A única sopa que eu não dispenso! Adoro canja de galinha e faz super bem à gripe. Inalar o vapor da canja faz imenso bem à nossa congestão nasal e há quem diga que o líquido ajuda a acalmar as inflamações.
  • Alho- Até há bem pouco tempo não fazia ideia que o alho podia ajudar a prevenir constipações. Mas é verdade! O alho combate os germes e previne a gripe. Por isso quem gosta de colocar alho nos alimentos está com sorte!
  • Água Salgada- Garguejar a garganta 4 vezes por dia com água salgada ajuda a acalmar as dores de garganta sem que seja preciso recorrer a medicamentos.
  • Vapor- Não só o vapor do chá ou da canja mas também o vapor do banho. Tomar um banho bem quente com a porta totalmente fechada é ótimo para quem está doente! Respirar o vapor faz imenso bem à congestão nasal e ajuda a que consigamos respirar.
  • Descanso- A última dica e, a meu ver, a mais importante; descanso. Quando estamos engripados temos tendência a ficar mais fracos e desidratados, o melhor tratamento para isso é descansar o máximo possível. Quanto mais atarefados andarmos mais vamos piorar porque o nosso corpo não relaxa e não tem tempo de absorver todos os tratamentos que lhe estão a dar. Deitem-se, descansem e vão ver que ficam melhores mais depressa do que esperavam.

Gostaram das dicas internautas?
Costumam seguir algum destes métodos naturais?

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Destino de sonho: Nova Iorque

quarta-feira, outubro 07, 2015 34 Comments
Sempre quis ir a Nova Iorque. É, sem dúvida, um dos meus destinos de sonho.
Não sei explicar o porquê mas sempre foi dos lugares onde mais desejei ir e não quero mesmo morrer sem ter a oportunidade de ir lá! É uma cidade com muito impacto no mundo já para não falar da Times Square que me fascina completamente!
Por isso já sabem, se me quiserem dar a melhor prenda de sempre levem-me a Nova Iorque! ;)



E vocês internautas, qual o vosso destino de sonho?

domingo, 4 de outubro de 2015

sábado, 3 de outubro de 2015

André Cruz: «Daqui a 10 anos gostaria de ser reconhecido pelo trabalho árduo que tenho vindo a ter.»

sábado, outubro 03, 2015 17 Comments
André Cruz –ou “cenoura”, como ficou conhecido- é um jovem de 22 anos que viu a sua vida mudar quando, aos 16 anos, decidiu participar no programa Ídolos.
O jovem lisboeta participou no programa de talentos da SIC em 2009 mas, infelizmente, foi eliminado na primeira gala em direto. Como o sonho sempre foi maior que tudo o resto, André voltou a tentar a sua sorte e, em 2012, regressou mais forte e com o seu talento muito mais trabalhado, o que lhe permitiu ficar em terceiro lugar no programa.
Nesta entrevista, o “cenoura” conta-nos um bocadinho mais acerca do seu amor pela música, da sua experiência no programa da SIC e fala-nos dos seus projetos futuros.


Como descobriste que tinhas “queda” para a música?
Tudo começou quando os meus pais compraram uma guitarra para a minha irmã como prenda de natal. Tive muita inveja e quis comprar uma também. Desde então nunca mais parei de tocar e cantar.

Que género musical define o tipo de músico que tu és? Quais as tuas referências?
Não tenho um género definido. Gosto de ouvir um pouco de tudo. Vou aprendendo e tirando algumas ideias. Obviamente que tenho certas referências como Ed Sheeran, Jason Mraz, John Mayer, entre outras.

Tiveste a oportunidade de concorrer a duas edições do programa Ídolos. O que guardas dessa experiência?
Guardo certamente muitas memórias das quais nunca me vou esquecer. Algo que nunca mais se vai repetir mas que foi único.

O que é que aprendeste ao longo dessas duas edições em que participaste?
Aprendi muito em ambas.

Na segunda vez que participaste no programa conseguiste o terceiro lugar, o que não aconteceu na primeira vez. O que fizeste durante o tempo em que estiveste “fora do ecrã” para melhorares as tuas prestações?
Durante o tempo que estive fora continuei a trabalhar arduamente. Fizemos uma tour por Portugal, trabalhei para a TMN, Disney Channel e continuei a dar os meus próprios concertos. Fui ganhando experiência enquanto fazia aquilo que mais gosto: cantar.

Em que é que um programa da dimensão do Ídolos mudou o André Cruz a nível pessoal e o André Cruz a nível artístico?
Visto ter participado muito cedo na primeira edição (16 anos) posso afirmar que sofri algumas mudanças significativas. Percebi acima de tudo que a música era algo que eu adorava para além de tudo. Que queria trabalhar na mesma para sempre. O André Cruz a nível pessoal continuou a ser o mesmo. Um puto porreiro, descontraído que por vezes tem muita piada. A nível artístico, o André evoluiu bastante e neste momento encontra-se num patamar profissional completamente diferente. 

Mais tarde lançaste o teu primeiro single So Close, So far. Sendo este single um original teu, em que te inspiraste para o escrever? E que mensagem querias transmitir às pessoas quando o escreveste?
Este meu single fala de alguém que quis partir para uma nova aventura. E eu, eventualmente, teria que partir para outra. E assim o fiz.

Que projetos tens para o futuro: Desejas viver somente da música ou gostarias de a conciliar com outro projeto?
A música estará sempre presente. De qualquer das formas, finalizei o meu curso de Comunicação Social. Vou fazer de tudo para poder fazer da música a minha vida. No entanto, sabemos que o mercado está difícil. Se por ventura não conseguir, tenho uma base que me protege e salvaguarda.

Qual é o teu maior sonho a nível musical?
Estar em cima do palco do rock in rio e ter a oportunidade de ver milhares de pessoas a cantar a minha música.

De que forma queres ser visto daqui a 10 anos?
Daqui a 10 anos gostaria de ser reconhecido pelo trabalho árduo que tenho vindo a ter. Um rapaz que não desistiu e que no final teve aquilo que merecia.

Por fim, queres deixar uma mensagem a todos aqueles que te apoiam e que acompanham o teu trabalho?
Aguardai meus amigos. O Cenoura irá chegar!



Terminada a entrevista resta-me agradecer ao André pela disponibilidade e, acima de tudo, por ter aceite responder às minhas questões.
Deixo-vos alguns links de locais onde podem acompanhar o seu trabalho assim como alguns vídeos dele. Valorizem mais um talento português!

Página Oficial
Instagram
Canal do youtube
So Close So Far (Single)
André Cruz- Carta (Toranja)





Até logo, Diamond!

Obrigada pela visita!
Volta Sempre :)