sexta-feira, 1 de junho de 2018

Daniel Guedes: «Há reações sempre muito boas e expansivas que torna tudo muito motivante.»

sexta-feira, junho 01, 2018 1 Comments

Tudo começou aos oito anos de idade, quando recebeu a sua primeira caixa de magia. Naquele momento, soube que queria ser mágico.
Hoje, vinte e cinco anos depois, Daniel Guedes é um dos mais reconhecidos ilusionistas portugueses. Na sua carreira, o mágico de Matosinhos conta com diversos prémios e inúmeras participações televisivas sendo, atualmente, mágico residente no programa “À Conversa com Ricardo Couto”, no Porto Canal, e mágico oficial da UEFA.
Por gostar de desafios e de se pôr à prova, Daniel decidiu participar na edição deste ano do programa “Got Talent Portugal”, na RTP. E, mais recentemente, presenteou-nos com o espetáculo “52”. A Casa em Movimento (Matosinhos), idealizada pelo arquiteto Manuel Vieira Lopes, foi o local escolhido para Daniel fazer magia non stop durante 52 horas. Assim, das 10h do dia 25 de maio às 14h do dia 27 de maio, Daniel Guedes adotou a Casa em Movimento como sua casa e realizou diversos espetáculos de magia para quem quisesse assistir. Tudo o que o público tinha de fazer era tocar à campainha e, independentemente da hora que fosse, o mágico abria as portas da sua casa e, imediatamente, realizava um truque de magia.
Dois dias depois desta aventura, o Jornal Mira Online encontrou-se com o Daniel que, ainda visivelmente cansado, nos contou como viveu esta experiência.

Fotografia gentilmente cedida por Daniel Guedes

Daniel, já conseguiste recuperar as horas de sono? (risos)

Ainda não totalmente (risos). Mas hoje já estou bastante melhor. Já passaram três dias. Portanto, isto foi no domingo… Hoje é quarta, certo? (risos)

Ainda estás meio perdido nos dias (risos)
Ainda estou meio baralhado. Mas já estou muito melhor. Segunda-feira foi o dia mais complicado, naturalmente. Agora já estou mais recuperado.

Tinhas algum plano já preparado para conseguir estar 52 horas fechado no mesmo sítio?
Descansei o máximo possível nos dias anteriores e também reservei os dias seguintes para poder estar mais descansado. Acima de tudo, nem é dormir muito nos dias seguintes, é mesmo não ter coisas com que me preocupar.

E mesmo lá dentro, podias sempre tirar uns minutos para descansar…
Sim e tive que o fazer senão não me aguentava (risos).

Tens noção de quantas vezes ouviste a campainha tocar?
Não, foram muitas. E bater à porta. Inclusivamente, houve duas ou três vezes que eu já estava a dormir e tocaram à porta. Eu acordei, fui abrir e fiz magia. Assim, meio ensonado, de pijama… (risos).

E os truques surgiam-te na hora? Tu acordavas e sabias logo o que ias fazer?
Sim. Claro que eu levei um reportório grande para o evento, portanto, levei uma lista de várias dezenas de números para apresentar. Mas no momento é que decidia o que me apetecia fazer, também em função do público.

Conta-nos um bocadinho de como foram esses três dias.
Foi uma experiência muito gira. Recebi a visita de vários amigos. E, basicamente, eu estive disponível durante 52 horas consecutivas para fazer magia. Nos momentos em que não havia público, era quando eu aproveitava para tentar descansar. As manhãs eram um pouco mais calmas, mas as tardes e a noite era sempre a andar (risos). Às vezes tive dificuldades em arranjar tempo para conseguir comer. Mas a experiência excedeu todas as expectativas e estou a ponderar repetir.

Este tipo de iniciativas é sempre interessante porque tu nunca sabes muito bem o que esperar. Houve algum acontecimento que te tivesse marcado particularmente durante essas 52 horas?
Várias coisas. Acima de tudo, deu para rever imensos amigos que já não via há imenso tempo. Por outro lado, as reações do público são sempre o melhor de tudo. Se calhar até mais das crianças. Há reações sempre muito boas e expansivas que torna tudo muito motivante.

2018 é também o ano que marca a participação de Daniel num concurso televiso. O mágico marcou presença no programa “Got Talent Portugal”, na RTP , onde chegou às semi-finais.

Há pouco tempo concorreste ao Got Talent Portugal. O que é que te levou a participar num programa televisivo?
Em primeiro lugar, o desafio. Gosto do espírito da competição e de me pôr à prova. E, portanto, entrei com o objetivo de ganhar e de ser o primeiro mágico a vencer este tipo de programas em Portugal. Em segundo, naturalmente o objetivo de me divulgar e tornar o meu trabalho mais conhecido e esse objetivo foi completamente conseguido.

Como referiste, nunca nenhum mágico ganhou um concurso de talentos. Achas que as pessoas ainda não estão preparadas para dar a vitória a um mágico?
Acho que sim. Isso viu-se nas atuações que chegaram à final. Essencialmente eram, ou da área de música, ou de dança, e isso é o que se verifica ano após ano nestes programas. E acho que, fora dessas áreas, haviam atuações incríveis. Por exemplo, o Bruno Rosa, o NTS,… Se calhar o público, por algum motivo, não se sente atraído para este tipo de talentos e vai sempre parar novamente à dança ou aos cantores que, obviamente, não têm culpa nenhuma disso porque também são muito bons!

É diferente fazer magia na rua e na televisão?
Sim, claro. Quando estamos a fazer magia em televisão, o público são as câmeras. Se é em direto ou se é gravado também é diferente. Às vezes pode ser mais difícil conseguir passar a mensagem. Mas acho que o essencial é o mesmo: surpreender e fazer as pessoas sonhar.

Tu dás muita importância à proximidade com o público e isso viu-se no programa…
Sim, aliás, na primeira vez, envolvi a plateia toda. Distribuí 52 baralhos de cartas. E, na atuação seguinte, também envolvi a plateia toda com uma bola gigante que andou a passear pelo meio do público para fazer a escolha aleatória dos espetadores que eu precisava.

A magia torna-se mais real quando a pões nas mãos das pessoas?
Eu acho que sim. O melhor número não é, necessariamente, aquele número grande em que se faz desaparecer um avião ou uma estátua. Eu acho que o melhor número pode ser aquele que acontece na mão do espetador, porque a pessoa diz “estava na minha mão e desapareceu”. Eu acho que isso tem um potencial e um impacto junto do espetador muito maior.

E o espetador ainda percebe menos de que forma aquilo aconteceu… (risos)
Sim, naturalmente que sim. Mas eu costumo dizer que o espetador também tem de ter o compromisso de se deixar enganar. Tem de se deixar levar. É um acordo. Eu estou aqui para iludir, mas as pessoas também têm de se deixar ser iludidas e não estarem do início ao fim a tentar perceber como é que foi feita a ilusão. Acho que é difícil, mas é melhor para o espetador abstrair-se de como foi feita a ilusão e, por momentos, acreditar que não há mesmo impossíveis e que a magia existe.

Saber como se faz nunca te desiludiu?
O que me motivou no início foi, ao assistir um espetáculo de magia, vivi a magia de tal forma que pensei “mais do que querer saber como é que isto se faz, eu quero provocar aos outros isto que estou a sentir”. Foi isso que me motivou a ser mágico.

Saberes como se faz não tirou a magia à magia…
Não. O segredo não é o principal. Obviamente, sendo mágico, sei como são feitas praticamente todas as ilusões de todos os mágicos do mundo e continuo a gostar de ver um bom espetáculo de magia. Consigo apreciar a parte mais técnica e ver a capacidade de comunicação do artista. No fundo, é como na música: qualquer um de nós conhece a escala de notas. A escala é como se fosse o segredo da música. Mas a sequência com que essas notas são colocadas numa melodia faz com que nós gostemos do que estamos a ouvir. Acho que a magia é a mesma coisa. Conseguimos disfrutar mesmo sabendo o segredo.

E achas que a magia deve ser reinventada? Ou seja, tornar um truque que já foi visto imensas vezes em algo diferente…
Eu tenho essa preocupação. Eu gosto muito de pegar nos clássicos da magia e tentar dar-lhes um toque pessoal e apresentar as coisas à minha maneira.

É essa originalidade que consegue levar um mágico a viver só da magia em Portugal? Porque não é fácil viver apenas da magia no nosso país…
Em Portugal é um bocadinho difícil viver do que quer que seja (risos).  Acho que sim. Acho que o sucesso de um artista passa pela originalidade. No caso da magia, acho que passa muito pelo que eu chamo as “artes anexas” à magia. É muito importante a originalidade, a comunicação, a apresentação, a forma como se trata e se fala com o público… A verdade é que eu reparo que as pessoas que veem hoje o meu espetáculo amanhã lembram-se de um ou dois números, no máximo. Mas ficam com a sensação de que foi divertido. É isso que fica na memória das pessoas, não é o truque propriamente dito. Portanto, tudo isto que está à volta da parte mais técnica é tão ou mais importante do que a execução.

Um talento exige sempre muito trabalho. Em média, quanto tempo praticas?
Depende das fases em que estou do espetáculo. Se for num espetáculo que está em fase de criação e de estreia, requer mais trabalho e mais prática. Se for em espetáculos que já estão mais construídos e preparados, é preciso ir fazendo uma revisão da matéria antes de apresentar no espetáculo.

Relativamente a próximos espetáculos, por onde vais estar e o que vais estar a fazer?
Eu vou andar em tour depois do verão, a partir de outubro. Vai chamar-se “52”. Esta coisa das 52 horas (risos). Tem a ver com o número de cartas de um baralho. Vem da minha influência por parte da matemática. Eu gosto muito de números e da simbologia que lhes está associada. Este espetáculo vai ser, sobretudo, sobre magia com cartas. Mas não só. E este evento de 52 horas de magia non stop foi a primeira ação promocional que, como correu mesmo muito bem, estou a pensar repetir. Portanto, andar um pouco pelo país a fazer mais sessões de 52 horas de magia. Esta sexta-feira, dia 1 de junho, vou estar na Casa da Música. Na celebração do Dia Mundial da Criança, vai haver um espetáculo de acesso livre, no exterior da Casa da Música. Eu vou estar a fazer magia, mas vai haver também um espetáculo de marionetas e um malabarista e equilibrista (André Borges). Vai ser um espetáculo desde as 10h até às 16h.

Fotografia gentilmente cedida por Daniel Guedes


Entrevista publicada em Jornal Mira Online.


quarta-feira, 30 de maio de 2018

Desculpa, não te quis magoar

quarta-feira, maio 30, 2018 2 Comments


Nem sempre magoamos com intenção. Às vezes, magoar alguém é só uma forma de cuidarmos de nós. É um alerta. Uma forma de nos resolvermos. Por vezes, magoar o outro é a única forma de solucionar um problema que insiste em não desaparecer.
Todos já passámos por uma situação em que sabíamos que, se disséssemos ou fizéssemos determinada coisa, íamos magoar outra pessoa. Mas também sabíamos que essa era a única forma de resolvermos os nossos problemas. A verdade é que todos temos personalidades diferentes e, por isso, às vezes entramos em conflito. Para não magoarmos o outro guardamos o que sentimos e vivemos esse problema até à exaustão. Protegemos tanto o outro que nos esquecemos da pessoa que mais precisa da nossa proteção: nós mesmos. Tudo tem limites e chega o dia em que não aguentamos mais. Assim, decidimos pôr a razão à frente do coração e tomamos a decisão que nos parece mais lógica: resolver os problemas que nos sufocam.
Desta forna, às vezes temos de magoar para sairmos de determinados problemas porque, na verdade, em determinadas situações, o outro só percebe que vivemos assombrados por um problema quando o magoamos. Às vezes, magoar alguém é a melhor forma de a proteger. Porque cresce. Porque reflete e, mais tarde, entende. Só assim se resolve o problema. E, no fim, a sinceridade é o caminho.
A frase “Desculpa, não te quis magoar” pode, realmente, ser o caminho. Porque, de facto, na maior parte das vezes em que magoamos alguém, não queremos magoar. Acontece porque todos temos sentimentos e nem sempre sabemos geri-los. A solução é a comunicação. Dizer ajuda sempre. E, no fim, tudo fica melhor.

Publicado em Repórter Sombra

sábado, 19 de maio de 2018

Viver com ansiedade

sábado, maio 19, 2018 2 Comments



A única certeza que tinha era a de que queria retratar algo que fosse meu. O curioso de fazer um trabalho sobre a ansiedade é que ele foi o motivo da minha ansiedade ao longo dos últimos meses ter disparado para um nível nunca antes visto. Chorei quase todas as noites e, quando finalmente conseguia adormecer, era invadida por pesadelos que não me davam descanso. Pensei desistir uma data de vezes porque achava que nunca ia conseguir retratar aquilo que vivo todos os dias, a toda a hora.

Detetei este transtorno pouco antes de entrar na faculdade, mas os sinais começaram muitos anos antes. O problema é que eu própria pensava como grande parte das pessoas. "É tudo normal, faz parte do stress". O nervosismo era normal, o tremer fazia parte e a falta de ar também. Até ao dia em que tive um ataque que me tirou as forças ao ponto de pensar que ia morrer. Nunca me vou esquecer do olhar do meu irmão quando me viu deitada no chão sem conseguir respirar e a soluçar enquanto arranhava todas as coisas à minha volta. Foi aí que tudo se tornou evidente. Para mim, porque para as outras pessoas, muitas vezes, continua a ser tudo normal. É difícil ter de explicar trinta vezes por dia que as minhas mãos tremem mesmo que eu esteja 100% calma. É difícil explicar porque é que já acordo cansada. É difícil fazer as pessoas entender que há momentos em que tudo me irrita, em que preciso de estar sozinha porque o simples respirar da pessoa ao lado me faz ficar ansiosa. No geral, é difícil fazê-las entender. Principalmente quando ouvimos coisas como "todos somos ansiosos de vez em quando". Bem, ser ansioso e ter ansiedade são coisas completamente distintas. 
Pensei em desistir e voltar para casa. Descansar até achar que estava pronta para voltar. Os prazos, ai os prazos... São horríveis para todos, mas para uma pessoa ansiosa são a tortura total. Mudei o rumo deste trabalho umas quantas vezes porque achava que nunca ia ter tempo para nada e nunca nada estava bem. Cansei-me, chorei, parti umas quantas coisas e voltei a tentar. Isto todos os dias. A Sofia expôs-se. A Liliana tirou tempo e mais tempo para estar ali, a dar tudo de si. Foram as minhas duas âncoras. 
Quando, em frente ao professor, tive de explicar cada uma das minhas ideias, não hesitei em dizer: "quero mostrar que a ansiedade não é uma coisa pontual. Nós não somos ansiosos só quando temos um ataque. Somos ansiosos todos os dias, a toda a hora e temos de aprender a viver com isso". Por isso, não me interessa mostrar o que vai na nossa cabeça no dia a dia. É comovente, mas ninguém ia compreender de qualquer forma. Só nós sentimos e cada um sente à sua maneira. Mas quis, com toda a certeza, mostrar os pequenos sinais. Às vezes eles são tão explícitos e ninguém percebe por ser "normal". Nem sempre é. "Afinal, numa sociedade precisamos todos uns dos outros e, por vezes, os olhares que parecem não transparecer nada estão, na verdade, carregados de sofrimento. Um simples olhar ou um conjunto de rabiscos num caderno podem, na verdade, ser pedidos de ajuda camuflados."

terça-feira, 8 de maio de 2018

Viver com ansiedade

terça-feira, maio 08, 2018 3 Comments

Pensei que ia enlouquecer. O coração começou a saltar de uma forma alucinante. Deixei de ter controle na minha respiração e o meu corpo começou a ficar fraco. Viver com ansiedade é isto.
Um dia perguntaram-me se eu já me tinha sentido discriminada por sofrer de ansiedade. Sem querer, um “sim” saiu-me da boca. Engraçado, nunca tinha pensado nisso mas a resposta tinha saído de forma completamente natural. Acho que o meu interior já a sabia há muito tempo. A verdade é que não é fácil seres compreendido numa situação destas. És o mimado, o fraco, a vítima... Acho que só quem passa, sabe. E muitas vezes nem esses. Porque todos somos diferentes e se vives bem com o facto de seres ansioso, vais sempre ver de forma diferente aquele que tem dificuldades em enfrentar o mesmo problema que tu, ao teu ritmo, enfrentaste.
Não é só “ansiedade”. Muitos generalizam como se fosse uma coisa natural. É estares sentada a ouvir uma aula e do nada o teu corpo começar todo a tremer e tu ficares completamente em pânico porque não queres que ninguém repare. Porque sabes que vão olhar para ti com aquela cara de “está a tremer, porque é fraca e está nervosa”. É estares 100% segura de que aquele exame vai correr bem, mas a tua mente insitir em dizer-te “não sejas assim, é óbvio que vai correr mal”. É quereres viver um dia de cada vez mas ouvires o teu cérebro dizer-te “qual futuro? vais ser tão infeliz. Não vais ser nada daquilo que queres”. Mas tu és uma pessoa positiva. E as pessoas sabem disso e, por isso, não querem saber dos dias em que estás mais negativa. “Oh dizes isso mas...”, “oh, amanhã já estás toda animada outra vez”. E isso só mexe mais com os teus nervos. O sangue começa a ferver, o coração a acelerar, as mãos a tremer, ouves as vozes lá no fundo, parece que vais desmaiar. Arranhaste umas quantas vezes porque precisas de libertar energia. Partes umas quantas coisas. Choras, gritas “mas eu sou fraca às vezes, também preciso”. Tiras um tempo para ti. Mandam-te mensagens, chamadas,... “Está estudar”, pensam eles. Abres a porta, sais do quarto, bebes um copo de água, tomas mais um daqueles medicamentos que estás farto de tomar mas que sabes que são essenciais para aguentares mais uma semana de tormento e depois voltas a sorrir. Passado umas horas, está tudo bem. Já acreditas na vida outra vez. O sorriso torna-se verdadeiro. Mas choras porque naquela hora e meia no teu quarto eras só tu. Só tu e a tua ansiedade. E sabes que vai ser sempre assim porque, por mais que as pessoas digam que entendem, nunca entendem. Afinal, somos todos diferentes. E ninguém tem culpa de não entender, exatamente por esse motivo.
Durante estes 3 anos de Licenciatura percebi que a ansiedade não é a pior coisa do mundo. E não é por ser “normal”, como muita gente acha. Mas porque durante estes 3 anos foi a minha companhia diária. Eu aprendi a lidar com ela e ela aprendeu a lidar comigo. Ela ensinou-me a ser mais egoísta e a preocupar-me, em primeiro lugar, comigo. E eu aprendi com ela que mais importante que a nossa saúde física é a nossa saúde mental. Agora, não tenho vergonha de dizer “sou uma pessoa ansiosa” por medo do revirar de olhos do outro lado. A ansiedade ensinou-me que as outras pessoas são apenas isso: as outras pessoas.


Nunca fez tanto sentido.

Até logo, Diamond!

Obrigada pela visita!
Volta Sempre :)