domingo, 27 de novembro de 2016

Música da Semana #63

domingo, novembro 27, 2016 14 Comments



Sou uma fã incondicional da música portuguesa. No meu leque de artistas portugueses favoritos está, sem dúvida, a Carolina Deslandes. Acho-a uma artista de mão cheia. Tem uma voz extremamente bonita e canta com uma alma incrível. Isto para não falar da personalidade incrível que mostra ter e que transporta para as suas canções. Esta Não é Verdade é das músicas que mais gosto desta artista. Porque todos nós já a vivemos de alguma forma e nos identificamos um bocadinho com a sua mensagem.

O que acham da música? :)

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Opinião: «The Social Network»

sexta-feira, novembro 25, 2016 6 Comments
Resultado de imagem para a rede social

The Social Network ou A Rede Social é um filme biográfico sobre a fundação da rede social Facebook e os seus desdobramentos. O filme foi dirigido por David Fincher e conta com atores como Jesse Eisenberg, Andrew Garfield, Justin Timberlake, Armie Hammer, entre outros, no elenco. 


A história remete-nos para 2003 onde, na Universidade de Harvard, o estudante Mark Zuckerberg tem a ideia de criar um site para gerir a beleza dos estudantes após a sua namorada, Erica Albright, terminar o seu relacionamento com ele. Este site atinge um número brutal de visualizações em apenas duas horas e Mark acaba por ter de responder a um julgamento por ter invadido a base de dados de vários alojamentos para criar este site. No entanto, a popularidade deste site chama a atenção dos gémeos Winklevoss que convidam Mark a trabalhar com eles no "Harvard Connection", um website que eles estão a tentar formar. O que eles desconhecem é que Mark teve uma ideia melhor e decide fundar, com o seu amigo Eduardo, o site Facebook sem que os gémeos se apercebam disso. Esta plataforma atinge um sucesso extraordinário entre os estudantes e quando os gémeos o descobrem acusam Mark de lhes ter roubado as suas ideias. Desta forma, os gémeos instalam um processo contra Mark ao qual se vai juntar, mais tarde, Eduardo alegando que Mark diluiu a percentagem que ele ia receber enquanto co-fundador do Facebook de 34% para 0,03%.
O método de narração do filme apresenta-nos Mark a responder a dois processos em tribunal: um feito pelos gémeos e outro pelo Eduardo. 
Honestamente, nunca fui grande adepta deste tipo de filmes. Não é o tipo de filme que vejo regularmente mas, a propósito de uma cadeira da faculdade, decidi vê-lo e não me arrependi. Apesar de no início ter achado tudo um bocado confuso, com o desenrolar da história o filme foi-se tornando mais interessante e o facto de ter como base uma rede social prende-nos mais a atenção. Isto porque acho extremamente interessante vermos o que está por trás de uma rede social que usamos tão regularmente. E acho que foi mesmo isso que mais gostei no filme: perceber como é que este "vício" de tanta gente se originou e de onde surgiu a ideia que permitiu a sua concretização. E, nesse aspeto, o filme é bastante esclarecedor.


Já viram o filme, internautas? :)




quarta-feira, 23 de novembro de 2016

O que se esconde atrás das câmeras

quarta-feira, novembro 23, 2016 3 Comments
Adoramos cinema. Temos aquele ator que associamos a determinado filme tal foi o seu desempenho. O que não sabemos é que existem muitas alterações que são feitas à última da hora nos castings para filmes.
É mais comum do que pensamos. Por algum motivo, por vezes, é necessário substituir um ator ou atriz à última da hora. E isso já aconteceu em alguns filmes que tão bem conhecemos. Conhecem o Chris Farley? O que muita gente não sabe é que ele era o ator que iria dar voz a “Shrek” e chegou mesmo a gravar algumas maquetes do filme. Infelizmente, o ator veio a faleceu em 1997 e o seu substituto foi Mike Myers, que acabou por dar voz a este personagem ao longo dos filmes.
Também em “Lovely Bones” houve uma substituição num dos papéis. Ryan Gosling foi escolhido para interpretar o papel do pai da personagem principal do filme mas, e por culpa de um requisito, o ator foi substituído. A questão é que o pai da personagem deveria ser gordo e Ryan não tinha o peso suficiente para entrar no filme. Desta forma, Mark Wahlberg ocupou o seu lugar e, mais tarde, acabou por emagrecer e recuperar o seu corpo normal.
Vejamos agora “Crepúsculo”. Todos já ouvimos, pelo menos, falar do filme. Foi com esta saga que Kristen Stewart ascendeu na sua carreira. O que pouca gente sabe é que ela não foi a primeira escolha para interpretar a personagem Bella. Emily Browning foi a primeira escolha mas optou por recusar o papel para se dedicar a filmes mais independentes. Quando questionada sobre algum tipo de arrependimento, a atriz diz que não se arrepende de ter recusado o convite por achar que a saga exigia demasiada pressão que a poderia levar a desistir de ser atriz.
Para terminar, não poderia deixar de fazer referência a uma alteração num ator de “Avatar”. Matt Damon foi convidado para ser o protagonista deste filme mas recusou o convite por já estar envolvido noutros projetos. Assim, foi Sam Worthington quem ocupou o seu lugar. Matt Damon acabou mais tarde por mostrar arrependimento por ter recusado o papel e explicou que a origem da sua recusa estava em “conflitos de agenda”.

Como podemos ver, há muita coisa por descobrir para lá do cinema. O facto de acharmos que determinado ator encaixa perfeitamente num personagem não significa que ele tenha sido a primeira escolha. Por vezes, ficamos contente pelas alterações feitas. Outras, gostávamos que a primeira escolha tivesse acontecido. Os gostos ficam ao nosso critério mas o talento será sempre deles. 



Publicado em Repórter Sombra.

domingo, 20 de novembro de 2016

Música da Semana #62

domingo, novembro 20, 2016 10 Comments


Jealous, do Labrinth, é a música desta semana. 
Esta é, sem dúvida, umas das músicas que mais adoro e que mais me toca. A letra é simplesmente linda e a mensagem que transmite emocionante. É impossível ouvi-la sem que nos traga algumas memórias! 

O que acham da música, internautas? :)



sábado, 19 de novembro de 2016

Ricardo Fonseca: «Tem sido um percurso que amo fazer e que me faz dar sentido à vida.»

sábado, novembro 19, 2016 8 Comments
Ricardo Fonseca é um jovem apaixonado pelo mundo da música.
Aos 10 anos recebeu um teclado e nunca mais parou. Começou as primeiras gravações aos 12 anos e, mais tarde, criou o seu próprio estúdio. Sem nunca ter tido aulas de música, Ricardo considera-se um autodidata por ter aprendido a tocar vários instrumentos sozinho, escrever e interpretar as suas próprias letras.
Nesta entrevista, Ricardo fala-nos da sua paixão pela música e dos seus projetos para o futuro.



Fala-nos um pouco de como começou o teu gosto pelo mundo da música.
Embora sempre tenha tido aquela paixão, foi aos 10 anos que senti uma proximidade maior ao receber um teclado no Natal. Desde então, todos os dias tinha um tempinho só para “nós os dois” (risos).

Quando é que começaste a perceber que esse gosto não era apenas um gosto mas algo mais sério?
Comecei a fazer as minhas primeiras gravações (de forma amadora, claro) com cerca de 12/13/14 anos. Aí queria seguir, mas não sabia como. Quando tinha 15/16 comecei a trabalhar no verão (período de férias escolares) para juntar dinheiro e comprar o meu material de estúdio aos poucos. Foi possivelmente nessa idade que decidi dar o passo “oficial”.

Os teus pais apoiaram-te desde o início na tua decisão de seguir o caminho da música de forma mais séria?
Penso que é sempre complicado na conjetura atual os pais aceitarem que um filho opte por um ramo incerto, quando tudo o que querem é o seu melhor.
Sempre me avisaram para ter cuidado, não cair em ilusões e continuar os estudos mas nunca me deixaram de apoiar, o que é sempre fundamental para se conseguir crescer num meio com tantas dificuldades.

Nunca tiveste aulas de música e, no entanto, tocas diferentes instrumentos e escreves e interpretas as letras. Consideraste um autodidata por teres conseguido aprender tanta coisa sozinho?
Acabo por ser necessariamente um Autoditada pois a definição é basicamente essa: aprendizagem sozinho, sem auxílio de um professor ou equivalente.
Penso que quando se quer e se gosta realmente de uma coisa, somos capazes de tudo!

Em que é que te inspiras para escrever as tuas letras?
Geralmente inspiro-me em histórias que vivi. Eventualmente poderei acrescentar certos pontos mas costumam ser sempre histórias verídicas, inspirando-me assim na família, amigos, namorada…


Como te sentiste quando viste o teu primeiro videoclip concluído?
O primeiro videoclip, feito mais em tom de brincadeira, foi quando tinha 16 anos. Foi algo bom, se bem que estava no início e tinha poucas pessoas que me conheciam. Quando publiquei o meu primeiro VideoClip “Oficial”, denominado “É Agora”, é que pude ver realmente o feedback. Através de mensagens, comentários e gostos já consegui sentir a proximidade com as pessoas que me começavam a seguir e gostavam do que fazia. Foi esse mesmo vídeo que marcou o meu percurso televisivo, indo à TVI através de uma mensagem que a minha irmã enviou para o programa da Fátima Lopes “A Tarde é Sua”. Acho que vai ser sempre algo de que me vou orgulhar, com um brilho nos olhos, porque é um registo do meu início que será sempre eterno.

Como tem sido o teu percurso musical desde então?
Muita coisa tem acontecido. Passei a ter editora, agência/manager, promotora, o meu 1º disco nas lojas, a empresa de vídeo e imagem criada (ProCheck Productions), parcerias com pessoas que admirava no mundo musical. Conheci muita gente que respeito imenso e tudo o que foi alcançado até então, não passa de um grão de areia na longa costa vicentina que pretendo alcançar (risos). Em suma, tem sido um percurso que amo fazer e que me faz dar sentido à vida.

E daqui para a frente, o que esperas alcançar e o que podemos esperar de ti?
Como referi na questão anterior, ainda quero alcançar muito mais do que já alcancei. Espero editar muitos mais discos, produzir outros tantos para outros artistas (isto falado como produtor musical), que as pessoas se identifiquem com os meus vídeos, que os partilhem e que, cada vez mais, possa chegar além-fronteiras. A tecnologia não para de evoluir mas há coisas que se mantêm… como o amor! Se nós soubermos respeitarmo-nos uns aos outros e mantivermos esse mesmo amor por cada um de nós, tudo o resto passa a ter outro sabor.
Respondendo à questão de forma direta e efetiva, um dia espero alcançar um palco com uma plateia gigante cheia de sorrisos, alegria, paz, amor… de Vida! É isso que a música significa para mim… Vida! 



Terminada esta entrevista resta-me agradecer ao Ricardo por toda a disponibilidade e, acima de tudo, por ter aceite responder às minhas questões.





domingo, 13 de novembro de 2016

Música da Semana #61

domingo, novembro 13, 2016 4 Comments

Já perdi a conta ao número de vezes que elegi as músicas do Diogo Piçarra como música da semana. Mas a verdade é que ele é o artista português que mais admiro e não há uma única música que não me toque de uma forma especial. Breve é o nome da música desta semana e merece todo o destaque pela letra, pela voz e, acima de tudo, pelo sentimento a que o Diogo tão bem nos habituou!



sábado, 12 de novembro de 2016

Opinião: «The Secret Life of Pets»

sábado, novembro 12, 2016 7 Comments
Resultado de imagem para a vida secreta dos nossos bichos


The Secret Life of Pets ou A Vida Secreta dos Nossos Bichos é um filme de animação americano produzido pela Illumination Entertainment. Nele podemos encontrar as vozes de Louis C.K., Eric Stonestreet, Kevin Hart, Albert Brooks, entre outros... 


O enredo do filme passa-se num edifício em Manhattan e conta-nos a história de Max, um cão que vive com a sua dona, Katie. A relação de ambos é perfeita e Max é completamente fiel à sua dona. Um dia, Katie decide levar para casa um cão que estava num canil e Max não consegue lidar com a situação já que não está habituado a partilhar a atenção e quer Katie só para si. Os dois cães acabam por se meter em sarilhos e arranjar vários problemas. Para voltar para Katie, ambos vão ter de unir forças e aprender a relacionar-se. 
Amo animais. Costumo dizer que gosto mais de animais do que gosto de pessoas. Como tal, mal soube da existência deste filme quis logo vê-lo. Tinha quase a certeza que ia adorar e a verdade é que não me desiludi. Para além do lado cómico tem também um lado sentimental. Principalmente para quem é ou já foi dono de um animal de estimação. Aqui podemos ver a lealdade que um animal tem pelo seu dono assim como o oposto. Também é engraçado perceber a teia de relações entre os próprios animais. Acaba por ser um filme ótimo para relembrar que os animais também têm sentimentos porque, infelizmente, há muita gente que se esquece.
Posto isto, acho que toda a gente devia ver este filme. Não só os amantes dos animais mas todos. Acredito que uma das funções do cinema é relembrar-nos daquilo que muitas vezes nos esquecemos.


Já viram o filme?
O que acharam? :)


domingo, 6 de novembro de 2016

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Shay Mitchell despede-se de Pretty Little Liars

quinta-feira, novembro 03, 2016 5 Comments


Já acompanho Pretty Little Liars há alguns anos e a verdade é que quando soube que esta seria a última temporada estremeci. Vivendo eu a representação de forma tão intensa, não consigo deixar de me apegar a personagens pela forma como conseguem chegar até à minha vida e aos atores pela entrega e trabalho árduo que dedicam a essa personagem durante anos.
Curiosamente, a Shay sempre foi a minha atriz preferida do elenco, e a sua Emily a personagem com a qual mais me identifiquei pelo seu temperamento, forma de ver a vida e amizade incondicional. Ao ver este vídeo, eu própria também deixo cair umas lágrimas. Porque dizer adeus a esta série, é dizer adeus à Emily, à Aria, à Spencer, à Allison, à Hanna, ao Toby, ao Caleb e a tantos outros personagens que entraram na minha casa quando a vontade de estudar era nula ou quando precisava de companhia nas noites mais tristes. 
O que a Shay mostra neste vídeo é o que de melhor esta profissão tem: o facto de nos entregarmos de corpo e alma a um papel ao ponto de doer demasiado dizer-lhe adeus. Porque foi isso que me disseram tantas vezes quando eu dizia que quero ser atriz: "mais importante do que o talento, é a entrega". E a Shay e os restantes atores do elenco entregaram-se. Entregaram-se ao ponto de esta ter sido a primeira série que decidi seguir. Se o meu gosto por séries começou, a estes atores fantásticos o devo. 
Dói-me dizer adeus à Emily, porque sei que depois desta temporada ela não vai mais voltar. Mas no que diz respeito à Shay, este foi só o início. Daqui para a frente "nunca mais a largo".

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Opinião: «The Mechanic»

terça-feira, novembro 01, 2016 8 Comments
Resultado de imagem para the mechanic

The Mechanic é um filme de ação americano, de 2011. O seu elenco é composto por Jason Statham e Ben Foster nos papéis principais. 
O filme fala-nos de Arthur Bishop (Jason Statham), um assassino profissional de elite, que se especializa em fazer os seus trabalhos parecerem acidentes ou suicídios. Num dos seus serviços, ele é contratado para matar Harry, o seu melhor amigo. Após cometer esse assassinato, Bishop acaba por treinar o filho de Harry para que este também se possa tornar um assassino profissional. As coisas mudam quando o filho de Harry descobre que quem matou o seu pai foi Bishop.
Bem, para começar e sendo completamente sincera, confesso que o meu gosto por filmes de ação é recente. Até há bem pouco tempo não era grande adepta deste tipo de filmes e não me perguntem o porquê porque eu também não sei. A verdade é que -e culpem a idade se quiserem- ultimamente tenho gostado cada vez mais deste tipo de filmes. Este não foi excepção. Adorei. Muito por culpa do Jason Statham que é um ator que admiro imenso. Acho que não poderia ser outro ator a desempenhar este papel. Como sempre, o Jason fez um trabalho brilhante e conseguiu tornar o seu personagem bastante interessante. 
Quanto ao filme propriamente dito, não posso dizer que é dos meus preferidos ou dos melhores que já vi, porque não é. Mas é, sem dúvida, um bom filme. Adorei a forma como terminou e o rumo que o personagem do Jason foi levando ao longo do enredo. Se me perguntarem se recomendo, dir-vos-ei que sim. Para quem for fã de filmes de ação, este é, sem dúvida, uma ótima opção!

Já viram o filme, internautas?
Curiosos? :)

Até logo, Diamond!

Obrigada pela visita!
Volta Sempre :)