quarta-feira, 29 de abril de 2015

"Homossexuais só podem dar sangue se estiverem em abstinência sexual"

quarta-feira, abril 29, 2015 2 Comments
"O presidente do Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST) afirmou esta quarta-feira que é um fator de exclusão para a dádiva de sangue ser homem e ter tido sexo com outros homens.", revela o jornal Expresso, de hoje.
A palavra que me veio à cabeça quando li a notícia foi parvoíce, muita mas mesmo muita parvoíce. Da mesma forma que os homossexuais têm duas pernas, dois braços, fígado ou coração como os heterossexuais, eles são tão saudáveis quanto eles e não devem deixar de doar sangue só porque dormem com uma pessoa do mesmo sexo. Sim, a questão que é aqui abordada é o facto de as relações sexuais, neste caso específico, serem entre dois homens o que é uma idiotice completa para mim. Na minha cabeça só consigo pensar que este senhor acha que dois homens, só por serem dois homens, se tiverem relações sexuais, não têm direito a dar sangue porque podem transmitir vírus, mas e os outros? As escolhas sexuais de cada um não têm nada a ver com a transmissão de doenças desde que todos tenham certos cuidados e se protejam como deve ser, sejam eles heterossexuais, homossexuais, ou bissexuais. Cada um é como é e não deve ser privado de dar sangue e, quem sabe, salvar vidas, por preconceitos estúpidos de pessoas que ainda acham que a homossexualidade é uma doença contagiosa. Os homens têm tanto direito a ter relações sexuais com outros homens como com mulheres, estamos em pleno século XXI e já está na hora da homossexualidade ser encarada como algo normal e não os privar de nenhum direito. Se os direitos são comuns a todos os seres humanos porque é que estes SERES HUMANOS devem ser excluídos de alguns deles? Essa é a palavra chave: humanos. Se todos os humanos, desde que estejam perfeitamente saudáveis, podem doar sangue porque é que um homem que se relaciona com outro homem não o pode fazer? O facto de ter relações sexuais com alguém do mesmo sexo não faz com que ele deixe de ser saudável, ele está tão ao alcance de doenças e vírus como qualquer outra pessoa e pode prevenir-se como todos nós. 
A verdade é que ainda existe uma barreira entre homossexualidade e heterossexualidade e enquanto assim for nunca vamos ser um país decente. É como se os heterossexuais dissessem "deste lado estamos nós, e daquele estão eles." Mas não há esta divisão- ou, pelo menos, não devia haver-, somos todos um "nós"! Dizem que vivemos numa democracia, no entanto, se não amas alguém do sexo oposto és privado de uma série de coisas, Isto é democracia? Na minha opinião, só há democracia para quem as pessoas que nos governam querem porque, apesar de dizerem que todos temos os mesmos direitos, não temos e o presidente do IPST veio provar isso mesmo. E não vale a pena tentar dizer que não é preconceito, que é tudo uma questão científica e blá blá blá, porque é preconceito sim, se não fosse preconceito os homossexuais não estavam sempre a ser postos de parte em tantas coisas. Primeiro, não podiam casar, não podem adotar e, agora, nem doar sangue podem a não ser que não pratiquem sexo. Qualquer dia nem sair de casa podem, não vão eles pegar a homossexualidade aos outros! Desculpem a ironia mas se há assunto que me irrita é o preconceito e não é só com os homossexuais, é com todos! As pessoas devem ser tratadas como isso mesmo, pessoas. Mas, infelizmente, nem sempre isso acontece. Na hora de salvar vidas o preconceito devia ser posto de parte, mas até num ato simples como dar sangue existe quem descrimine estas pessoas que, só por terem gostos diferentes do que muitos consideram "normal", são privados de o fazer. Para mim, a homossexualidade é algo perfeitamente normal, eu sou a favor do amor e até entendo que para algumas pessoas ainda seja difícil aceitar a homossexualidade, mas se não aceitam, ao menos respeitem. É só isso que é preciso, respeito. Uma palavra tão pequenina mas que, à falta dela, tantas coisas no mundo estão fora do lugar.




















terça-feira, 28 de abril de 2015

Dia do Sorriso

terça-feira, abril 28, 2015 0 Comments
Ontem, 28 de abril, assinalou-se o Dia do Sorriso. Pessoalmente, eu acho que um sorriso, quando é sincero, é a coisa mais bonita que uma pessoa pode ter. 
Sorrir não nos faz só ficar mais bonitos e parecer felizes, sorrir traz muitos outros benefícios. Com um simples sorriso diminuímos a ansiedade, reforçamos o sistema imunológico e aumentamos a nossa concentração. Quando sorrimos nem sequer estamos a pensar no bem quem fazemos a nós próprios, mas a verdade é que esse bem existe e um sorriso é a melhor forma de lutar contra aquilo que nos faz mal.
Às vezes parece impossível esboçar um sorriso porque tivemos um dia péssimo ou simplesmente porque acordámos mal dispostos mas esquece-mo-nos que essa é a melhor forma de reverter a situação e melhorar o nosso dia e a nossa vida. Sorrir atrai energia positiva, combate a dor e, consequentemente, torna-nos pessoas mais fortes e mais felizes.
Na minha sincera opinião, o Dia do Sorriso não tem significado para mim porque eu sorrio todos os dias e acho que toda a gente devia fazer o mesmo porque, apesar dos problemas ou das mágoas, a vida é só uma e o que importa é sermos felizes!



quarta-feira, 22 de abril de 2015

TAG: Espelho meu

quarta-feira, abril 22, 2015 2 Comments
Hoje passei por aqui para responder a esta tag para a qual a Upside Down me nomeou. Parece-me uma tag bastante interessante por isso aqui vai...

1. Gostas do teu nome ou mudarias algo?
Não gosto do meu primeiro nome. Em contrapartida, adoro o segundo "Sofia" e fico bastante contente quando me tratam pelo segundo nome.
 
 2. Gostavas de ser mais velha ou mais nova?
 
Não tenho nada contra a idade que tenho mas, por vezes, gostava de voltar atrás uns dois ou três anos e voltar a viver algumas coisas.
 
 3. Querias ter nascido loira, morena, ruiva, negra ou mulata?
 
Nasci loira e, se pudesse não passar pela fase dos cabelos brancos, morreria loira!
 
 4. E quanto à cor dos olhos, azuis, verdes, castanhos ou pretos?
 
Se há coisa que gosto em mim são os meus olhos. Não é por ter olhos azuis mas, para mim, é a cor mais bonita. Apesar de também adorar olhos verdes, não há cor mais bonita para os olhos do que o azul. (isto na minha opinião claro)
 
 5. O teu cabelo é natural ou pintado?
 
Natural, apesar de muita gente achar que tenho madeixas porque tenho partes loiras e outras mais escuras. Mas a verdade é que nunca pintei o cabelo, nem tenciono fazê-lo.

 6. Gostavas de ser mais alta ou mais baixa?
 
Essa é uma pergunta difícil para mim porque, por um lado, gosto da altura que tenho, mas por outro, às vezes apetecia-me ser mais baixinha um bocadinho.
 
 7. Gostavas de ser mais magra ou mais gorda?
 
Gostava de engordar mais um bocadinho, não muito como é óbvio, mas mais uns três quilos talvez.
 
 8. Qual a celebridade você gostaria de ser?
 
Não gostava. Nunca quis ser ninguém para além de mim mesma.

 9. Se defina em 3 palavras.
 
Sensível, sorridente, determinada.
 
Blogues que nomeio para esta TAG: 

terça-feira, 21 de abril de 2015

Superstições

terça-feira, abril 21, 2015 0 Comments




Hoje é dia vinte e um e, vinte e um, é o meu número favorito. Curiosamente, hoje foi um dos dias mais sortudos que já tive e alguém me disse que podia ser o meu número favorito a trazer-me sorte mas, sinceramente, não acredito nisso.
Como sou uma pessoa que depois de ouvir as coisas começa a refletir, decidi fazer uma pesquisa sobre superstições e consegui tirar algumas conclusões. Uma delas é o facto de as superstições terem uma origem popular e não conseguirem ser explicadas cientificamente. Exatamente por não terem uma explicação científica, muitas pessoas atribuem razões sem sentido a fenómenos dos quais desconhecem as causas. Como é de esperar, na maior parte das vezes, ser supersticioso acaba por atrapalhar a vida das pessoas porque, muitas vezes, elas deixam de fazer certas coisas por achar que vão trazer azar, como por exemplo, passar por baixo de uma escada. 
Eu confesso que sou um pouco supersticiosa, mas não é aquela superstição de achar que me vai acontecer algo mau só porque é sexta-feira 13. Na minha opinião, há muitas pessoas que, como eu, não são supersticiosas mas adquirem certos hábitos que repetem sempre por forma a sentirem-se bem por não quebrarem a "rotina". Dou-vos um exemplo: para mim é quase impensável ficar sentada nas pontas quando posso estar no meio de duas pessoas, sinto que se ficar na ponta não me vou sentir bem porque, como já não o faço há muito tempo, não me dá uma sensação de conforto. A verdade é que há quem ache que eu sou supersticiosa nesse aspeto mas, para mim, isto é mais uma "mania" do que outra coisa. Um outro exemplo é o facto de eu nunca deixar o volume da televisão num número ímpar ou só comer pintarolas e M&M's aos pares. Eu não considero isto superstições mas sim vícios que vão sendo adquiridos ao longo do tempo mas que são muito difíceis de controlar porque tu pensas que se deixares de o fazer o dia não vai correr bem ou vais ficar com peso na consciência por teres quebrado a rotina. Sim, acontece-me muitas vezes querer deixar o volume da televisão num número ímpar e ter de voltar atrás para aumentar mais um número porque não me sinto bem comigo mesma ao não fazê-lo pois já foi um hábito que adquiri, uma espécie de vício. Podem achar-me doida, às vezes até eu acho mas, de facto, isto acontece e é completamente irritante.
Mediante a minha teoria sobre as superstições decidi fazer uma lista daquelas que são mais comuns. São elas:

  • Se a tua orelha ficar vermelha e quente de repente é porque alguém está a falar mal de ti;
  • Cruzares-te com um gato preto traz azar;
  • Quem partir um espelho vai ter sete anos de azar;
  • Abrir o guarda-chuva dentro de casa traz problemas familiares;
  • Colocar uma vassoura com o cabo para baixo atrás da porta faz com que as visitas indesejadas se vão embora;
  • O número treze é visto como o número do azar;
Como estas existem muitas outras superstições que se mantêm desde há muitos anos para cá.

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Como combater o cansaço?

segunda-feira, abril 20, 2015 1 Comments
Se há coisa que sinto desde que vim para a faculdade é, sem dúvida, cansaço. Por isso hoje decidi trazer algumas dicas que penso serem úteis para quem, como eu, sofre de cansaço quase o tempo todo.
A primeira passa por dormir entre sete a oito horas (têm desculpa nas noites académicas), o que muitas vezes parece que acontece mas nem sempre acontece realmente porque muitas vezes o nosso sono é perturbado e nem nos apercebemos.
A segunda consiste em relaxar antes de irem dormir, ouvindo música ou tomando um banho quente, qualquer coisa que vos distraia é bom para que tenham uma noite de sono mais calma e tranquila.
Em terceiro lugar, é muito importante dormirem numa posição confortável pois acordar com dores ou estar sempre a mudar de posição durante o sono acaba por não permitir dormir o tempo necessário ou da forma mais tranquila possível.
A quarta coisa essencial a uma boa noite de sono (confesso que é a que menos me agrada) é praticar exercício regularmente. O aumento de oxigenação nas células ativa a circulação e ajuda-nos a dormir melhor.
Em quinto lugar é também essencial comer entre as três refeições principais do dia. Podem comer doces desde que não o façam em excesso, mas o mais aconselhável é comer frutas ou os chamados "petiscos" de forma a que quando chegue o jantar a fome não seja tanta e a quantidade de comida ingerida seja reduzida.
Em sexto lugar é muito importante beber água já que ela vai levar nutrientes a sítios importantes através do nosso sangue e mantém o nosso corpo hidratado. Não devemos beber água apenas quando estamos com sede mas ao longo do dia para ajudar na nossa hidratação.
A sétima dica tem um nível mais pessoal. É extremamente importante para uma boa noite de descanso não se aborrecerem durante o dia, combatendo esse aborrecimento fazendo coisas que realmente gostam e mantendo a cabeça sempre ocupada mesmo que seja com passatempos simples, o importante é não pensar em coisas que vos deixe deprimidos ou aborrecidos. Esquecer tudo o que faz mal é uma regra!
Por fim, e a mais importante de todas: riam muito e bem alto! Pessoas felizes vivem a vida de uma forma muito mais saudável. Quando estamos cansados temos tendência a ficar muito abatidos e sem paciência para nada mas é importante combater isso com muitas gargalhadas. Aconselho a fazerem uma lista de coisas que vos fazem rir e quando estiverem mais cabisbaixos é só consultar a lista e dedicarem-se aos sorrisos.
Dizer que a vida é só uma e que passa a correr pode parecer um cliché mas é a mais pura das verdades por isso aproveitem-na muito bem e deixem o cansaço de lado, sigam as dicas e tenham a energia suficiente para aproveitar cada dia da forma mais produtiva possível.

domingo, 19 de abril de 2015

Remember Me

domingo, abril 19, 2015 0 Comments
 

Hoje passei por aqui apenas para fazer um breve comentário ao filme que vi ontem e que não me deixou dormir parte da noite.
Remember Me ou, traduzido para português, Lembra-te de Mim é um romance/drama dirigido por Allen Coulter e lançado em 2010 cujos protagonistas são Robert Pattinson e Emilie de Ravin. 
Bem, eu confesso que sou o tipo de pessoa que adia e adia os filmes e depois acabam por passar anos e eu ainda não os vi e este é, sem dúvida, a prova disso. Sempre quis vê-lo mas andei a adiar durante anos porque, para ser sincera, sempre que o começava a ver achava que ia detestar. Sabem aquela curiosidade que sentem ao ver o início de um filme e que com o progresso vai aumentando? Pois, eu não a tinha e, conforme os minutos passavam, eu acabava sempre por desistir de ver e ia fazer uma outra coisa qualquer. Por mero acaso, ontem estava indecisa sobre o que ver e lembrei-me que ainda tinha este nome na minha listinha de filmes e pensei "É agora, finalmente!" e só tenho a dizer-vos que, para meu espanto, é dos filmes que mais gostei de ver até hoje! Ao longo do filme eu nunca sabia o que havia de esperar a seguir e estava sempre à espera de saber o que estava para acontecer. Admito que o facto do Robert ser o ator principal também ajudou muito porque não imagino mais nenhum ator no lugar dele neste filme. Penso que ele conseguiu transformar a personagem Tyler, numa das minhas personagens favoritas de sempre. 
Uma coisa positiva que este filme trouxe foi a minha capacidade de não ter chorado do início ao fim (sim, para mim é uma vitória acreditem), mas como é óbvio, quando percebi o que ia acontecer ao Tyler no final do filme não parei de dizer "não" em frente ao ecrã e, nesse momento, não fui capaz de conter as lágrimas. Eu acho que foi por isso que gostei tanto da história que o filme nos conta, ela transporta-nos para uma realidade tão óbvia, as coisas que acontecem são tão comuns na nossa vida, desde o assassinato de uma mulher, uma filha crescer sem mãe, o suicídio de um irmão, um pai que ama mas não demonstra ou a morte de uma pessoa que mudou a vida de tanta gente. Eu acho que existem imensas pessoas como o Tyler e estou a ser sincera quando o digo. Pessoas que parecem não encontrar um rumo na vida mas que, no fundo, nasceram para mudar a vida dos outros, é como se essa fosse a verdadeira vocação delas, alterar completamente a vida dos outros para melhor e, quando todos estão bem e as suas vidas antes desarrumadas se tornam organizadas, vão embora como se dissessem "objetivo cumprido". É, lá no fundo, acredito que existam pessoas assim, às vezes é essa a única explicação que encontro para o facto de as melhores pessoas partirem sempre primeiro.
Bem, acho que não tenho muito mais a acrescentar, se forem pessoas atrasadas como eu a nível de filmes e ainda não o tenham visto, recomendo vivamente. Se, por outro lado, já o viram e quiserem deixar a vossa opinião estão à vontade. 
"Gandhi said «whatever you do in life will be insignificant but it’s very important that you do it ‘cause no one else is going to do it.» "


sábado, 18 de abril de 2015

TAG: That's true?

sábado, abril 18, 2015 2 Comments

Boa noite! Hoje vim aqui e reparei que fui desafiada pela Upside Down a participar nesta tag e, como gosto de desafios, aqui estou eu a fazê-lo.



Esta TAG consiste em:

Listar 25 factos (20 verdadeiros e 5 falsos) sobre mim;

Indicar 10 blogues para responder à TAG. Cada blogue tem 6 oportunidades para tentar adivinhar os 5 factos falsos.

Prémio: O blogue que acertar os 5 factos (nas 6 oportunidades) terá direito a um post no blogue que o indicou (neste caso o Viagens pelo mundo) dedicado exclusivamente ao seu blogue. Se errar, será o blogue indicado (quem eu nomear) que terá de fazer um post sobre o blogue que o indicou.
Motivo: Ajudar a divulgar os blogues e dar a conhecer aos vários leitores, conhecer-mo-nos
um pouco mais e fazer amizade entre os blogueiros/as, quem sabe.

Começo então por indicar 5 factos sobre a Upside Down que penso serem falsos:
2. Adoro fazer exercício
3. Não gosto de dormir
5. Sou fã de Lady Gaga
9. Sou viciada em cremes.
10. Nunca fui operada.


Chegou a hora de citar  25 factos sobre mim (20 verdadeiros e 5 falsos) :
1. Adoro comer.
2. Detesto ver filmes.
3. Adoro salada de tomate.
4. O meu prato favorito é lasanha.
5. Não consigo dormir sem ouvir música antes.
6. Detesto atrasos.
7. Adoro estudar.
8. Amo escrever sobre coisas que sinto.
9. Sou fã da Britney Spears.
10. Os meus chocolates favoritos são os milka.
11. Adoro correr.
12. Não gosto de refrigerantes.
13. Adoro o mar.
14. Prefiro o verão ao inverno.
15. Sou tímida.
16. Não resisto a um bom sorriso.
17. Detesto sentir areia nos pés.
18. Não gosto de gelados de baunilha.
19. Sou apaixonada por doces.
20. Não gosto de ler dentro de um autocarro.
21. Tenho uma crush pelo Harry Styles.
22. O meu maior sonho é ser atriz.
23. Não gosto de bróculos.
24. Adoro ler entrevistas.
25. Choro por tudo e por nada.

Os blogues que nomeio para esta TAG são:




sexta-feira, 17 de abril de 2015

Paixão é aquilo que nos queima por dentro

sexta-feira, abril 17, 2015 0 Comments
Hoje vou falar-vos de uma das minhas paixões, aquela que é a maior delas todas: o teatro.
Desde cedo que sempre que me perguntavam o que é que eu queria ser quando fosse "grande" não sabia muito bem o que responder. A verdade é que eu queria experimentar um bocadinho de tudo, basicamente ser a mulher dos sete ofícios e envolver todas as profissões do mundo numa bola de neve onde eu ia mergulhar para desfrutar de todas elas. Foi aí que o amor pela representação nasceu. 
Desde criança que não me lembro de dizer mais nada a não ser "quero ser atriz", essa profissão tão maravilhosa que permite interpretares diferentes personagens, poderes experimentar tantas personalidades diferentes, teres uma profissão e uma vida diferente a cada peça e sentires o que é estar na pele dos outros. Para mim, teatro representa isso mesmo: seres uma pessoa diferente, encarnares a personagem, teres uma personalidade diferente da tua e viveres uma realidade que não é a tua mesmo que seja por pouco tempo e até surgir outra que vais ter de absorver. E isso é sem dúvida um desafio, e eu adoro desafios! Nada me dá mais adrenalina do que o improviso. Chegar a uma aula de teatro, pegares num papel e teres de inventar uma história através da personagem aleatória que te calhou é uma descarga de energia tão grande e tão boa que nunca vou conseguir descrever.
Pisar o palco é a sensação mais incrível que pode existir, é o coração acelerado, o frio na barriga, as mãos e as pernas a tremer e o amor projetado naquilo que estás a fazer, porque é aquilo que tu queres, é aquilo que te faz feliz e que te deixa sem ar.
Um dia disseram-me que devemos lutar por fazer aquilo que nos aquece por dentro e, sem dúvida, representar é aquilo que me aquece o coração, é como se fosse o meu oxigénio, uma força que me move e que me faz acreditar que tudo é possível. Com o teatro tudo é possível. Porque no palco todas as dores passam, todas as feridas saram e todas as cicatrizes fecham. Não há maior amor do que aquele que nos faz acordar todos os dias com vontade de viver e o teatro é isso mesmo para mim, uma coisa que passou de paixão para amor. Amor por aquilo que me tira o fôlego, que me faz querer ficar cansada o tempo todo, que me faz querer ser eterna para poder fazer aquilo para sempre.
Com o teatro aprendi a nunca desistir dos meus sonhos. A verdade é que toda a gente acha que é uma profissão ingrata, que só gera desemprego e que não é digna de alguém que queira um futuro brilhante mas sinceramente? Estou-me nas tintas. Teatro é cultura, é arte, é imaginação e criatividade. E tenho pena que os atores portugueses não sejam tão valorizados como deveriam ser, porque o teatro é, ou deveria ser, um motivo de orgulho para todos nós. E para mim, não há nada mais forte do que este sonho. E se devemos perseguir aquilo que nos faz felizes e que nos queima por dentro, então eu vou fazê-lo nem que tenha de morrer a tentar...


quarta-feira, 15 de abril de 2015

You...

quarta-feira, abril 15, 2015 0 Comments
You and your smile ... You and your hair ... You and your perfume ... You, entirely . You, everywhere, all the time, at any second. You and your flaws ... You and your qualities ... You and your embrace ... You and your voice ... You and your love. You and me.

We and our dreams, we and our musings ... and our desires and our smiles together. Laughter of affection, sleepless nights, talks  unconnected while serious. A smiling future, as smiling like you. A life together and endless happiness.




terça-feira, 14 de abril de 2015

Trovoada, chuva, relâmpagos...!

terça-feira, abril 14, 2015 0 Comments
Não consigo dormir. É a primeira noite de trovoada que vivo em Coimbra desde que vim para cá e digamos que mau tempo durante a noite me agrada bastante, confesso.
Detesto ver o reflexo dos relâmpagos no vidro da janela, é certo, mas adoro o barulho deles, o som da chuva a cair e do vento lá fora. Aliás, atrevo-me mesmo a dizer que esta é das pouquíssimas coisas que adoro no inverno, estar na cama super quentinha a ouvir o temporal que se passa lá fora ou acompanhar o som da chuva com músicas super calmas antes de dormir. Mas a verdade é que isto nem sempre foi assim. Sendo eu uma adepta assumida do verão, nunca gostei muito do tempo associado ao inverno e até eu começar a gostar de relâmpagos e granizo foi preciso muita paciência e tempo, muito tempo. Mas, agora. aprecio bastante isso, principalmente quando passo um dia inteiro em casa, a relaxar enquanto está um temporal enorme nas ruas, acho que isso me faz sentir protegida, dá-me a noção do conforto que traz o nosso lar e do quão bom é estar em casa.
Bem, apesar de eu gostar muito destas noites não gosto que de dias cinzentos e cheios de chuva e frio por isso, a definição de um dia perfeito para mim, seria sol durante o dia e chuva durante a noite mas como isso não pode ser resta esperar que o mau tempo não queira ficar por muito tempo e que o sol volte rapidamente. Até porque o meu humor varia muito consoante o estado do tempo e se estiver um dia lindo, eu até posso estar com mil e um problemas que vou andar o dia todo bem disposta mas se, em contrapartida, estiver um dia terrível lá fora, cinzento e escuro, automaticamente o meu humor fica péssimo, sou bem capaz de estar triste o dia todo, sem energia completamente nenhuma e muito deprimida sem qualquer motivo. Quer dizer, há motivo, o tempo, mas somente isso.
Já não me lembrava de sentir um tempo assim há muito tempo e isto faz-me voltar à infância e lembrar-me do medo que tinha e de me esconder debaixo dos cobertores quando os meus pais não estavam por perto. É incrível que quando estás longe de casa até dos piores dias tu tens saudades só pelas pessoas que estavam contigo lá para te proteger, até as mais pequenas coisas te trazem recordações...


segunda-feira, 13 de abril de 2015

Dia do Beijo

segunda-feira, abril 13, 2015 0 Comments
Hoje, dia 13 de Abril, comemora-se o Dia do Beijo. E porquê? Bem, a história não está propriamente confirmada mas diz-se que o italiano Enrique Porchelo beijava todas as mulheres que viviam na sua vila, fossem elas casadas, solteiras, isso realmente não importava para ele. 
E porquê o dia 13 de Abril? Porque um dia o padre dessa mesma vila ofereceu moedas de ouro como prémio às mulheres que não foram beijadas por Porchelo. A lenda diz-nos que nenhuma mulher apareceu para "reclamar" o prémio e que essa recompensa está escondida algures na Itália até aos dias de hoje. 
Bem, acreditando ou não, a verdade é que um simples beijo só traz vantagens: o beijo combate a depressão, ajuda a fortalecer o sistema imunitário, o aumento do ritmo cardíaco quando se beija faz com que a oxigenação do sangue melhore e evite possíveis ataques cardíacos, melhora a sustentabilidade da pele, queima calorias (entre 12 e 18 calorias).
A primeira cena de um beijo no cinema foi no filme "O Beijo", realizado em 1986 e até hoje contam-se inúmeros e milhares de beijos nas telas do cinema.
Bem, agora só vos resta beijar muito e esperar pelas vantagens que, segundo as estatísticas, serão imediatas ;)
Um feliz dia para todos ! :')


domingo, 12 de abril de 2015

Talvez...

domingo, abril 12, 2015 0 Comments



Ultimamente não sei bem o porquê de estar tão diferente, mais arrogante, mal disposta o tempo todo, com vontade de desistir de mil e uma coisas e de deixar tudo ao acaso.
Não sei o porquê de estar assim, talvez a vida nos mude, ou talvez eu não tenha sabido como reagir deste quando tu apareceste. Provavelmente a falta de esperança diminui-me e faz-me não ver o lado positivo das coisas, algo que eu sempre fiz. Nem sei bem porque estou a escrever isto, talvez a escrita seja o meu escape, talvez através dela eu tenha coragem de dizer aquilo que não consigo dizer a ninguém... Não sei, mas não tem sido fácil, o medo a toda a hora, os sonhos à noite, vinte e quatro a horas a pensar sempre no mesmo e em qual será o melhor caminho a seguir. E depois vem a contradição, o querer deixar as coisas acontecerem mas ao mesmo tempo achar que nada cai do céu mas ter medo de correr atrás e voltar a cair naquele abismo que já tantas vezes me apanhou e me fez desvanecer em lágrimas de sofrimento.
Talvez um dia eu olhe para isto e ria, talvez volte a ter a confiança que até há uns dias atrás eu tinha, afinal tudo passa não é? Sempre tive contratempos ao longo da vida e sempre os superei certo? Quero acreditar que este vai ser mais um e que tudo vai passar e correr pelo melhor e que o que hoje me faz uma pessoa mais frágil, amanhã vai fazer-me mais forte, como sempre aconteceu.
Talvez isto aconteça, talvez não, não sei, deixo tudo nas mãos do destino que, exista ou não, saberá lidar com isto melhor que eu.

sábado, 11 de abril de 2015

Entrevista Diogo Carreira

sábado, abril 11, 2015 0 Comments
A entrevista desta semana feita pelo blog tem como entrevistado Diogo Carreira, um basquetebolista português nascido a 2 de Dezembro de 1978. 

Diogo Carreira, basquetebolista SLB

Quando descobriste o amor pelo basquetebol?
Descobri um pouco por acaso, embora o meu pai tivesse jogado, foi um primo que me levou para o basket. Como cresci no Barreiro, uma terra com muita tradição no basquetebol, fui e passados alguns treinos, que foram difíceis, comecei a gostar e andava sempre com a bola debaixo do braço na rua e na escola.
Onde e como começaste a dar os primeiros passos nessa área?
Comecei aos 9 anos no FC Barreirense. Depois de ter experimentado vários desportos apaixonei -me pelo basquetebol e fui sentindo que tinha jeito e, juntando amigos, já que nessa idade é fundamental, ajudou-me muito porque além da prática de atividade física, o desporto dá-nos regras e espírito de equipa que são muito bons para aplicar na vida.
 Pelos clubes por onde já passaste houve algum que te marcasse mais?
Já joguei em vários clubes: Barreirense, Seixal, Belenenses e Benfica. Dei sempre  o máximo e fui bem tratado, mas os meus 2 clubes de eleição são o Barreirense e o SLBenfica, onde sempre sonhei jogar e  ser campeão! Guardo também um carinho especial pela selecção que representei desde muito cedo e ate aos seniores!
Atualmente, Diogo Carreira é capitão de equipa no SLBenfica, clube pelo qual sempre teve uma enorme paixão.
Jogar no Benfica era uma meta para ti?
Sempre fui benfiquista e ia ao pavilhão da luz ver os jogos e, como tal, tive sempre o sonho de jogar no Benfica sim. Existiram várias hipóteses mas, só em 2008, o sonho se concretizou, bem a tempo de conquistar tudo pelo meu clube do coração e de chegar a capitão de equipa, o que me deixa muito orgulhoso e feliz!
Como está a ser essa experiência?
Está a ser uma experiência espetacular pois confirmei toda a grandeza do clube e sinto um enorme orgulho em representá-lo todos os dias e erguer os troféus que eu e os meus colegas temos vindo a colecionar nestes já 7 anos de águia ao peito.




Apesar de uma carreira extraordinária, Diogo passou por situações graves ao longo do seu percurso, situações às quais deu sempre a volta por cima mostrando força e uma enorme coragem.


Em 2009, foi-te diagnosticado um tumor na cabeça ao qual, mais tarde, se juntou a a contração da gripe A. Como geriste toda esta reviravolta?

Esse problema de saúde foi complicado numa fase inicial pois era tudo desconhecido e temi pela minha saúde e carreira mas, fui muito bem acompanhado e tratado pelos médicos e, depois de perceber bem o que tinha e como o tratar, acalmei e só me preocupei de novo quando fizemos o tratamento no verão e na total recuperação. Hoje em dia só tenho de controlar com exames médicos como se encontra o tumor que foi tratado para não crescer. A  gripe A foi um "azar" que me aconteceu a mim e a milhares no país mas teve mais impacto porque fui um dos primeiros e, porque foi ao serviço da seleção de Portugal, o que nesse ano me impediu de a representar no apuramento para o campeonato da Europa. Considero que tudo isso me tornou mais forte e me ajudou por exemplo na lesão grave que contraí esta época. Essa sim, é o maior desafio que já tive na carreira toda.
Depois do tumor estar controlado mudaste alguma coisa na tua vida ou no teu dia-a-dia?
Como já referi, foi algo que descobri por acaso em exames de rotina e não mudei nada no dia-a-dia. Realizei uma intervenção nesse verão o que foi algo difícil, e depois recuperei em 1 mês e, hoje em dia, todos os anos realizo uma ressonância magnética à cabeça, mas só de controle.
Estes contratempos por assim dizer, nunca o impediram de desistir e, em 2014, Diogo voltou com mais força do que nunca.
Entretanto, em 2014, voltaste a renovar contrato com o SLBenfica, que objetivos traçaste para essa nova época?
Sempre que renovo as metas num clube tão grande como este são sempre as mesmas: ganhar e ganhar! Já são 22 títulos pelo Benfica mas a ambição é diária e consiste em melhorar e continuar a vencer pois o difícil não é chegar ao topo, mas manter-mo-nos lá e, neste clube, e na nossa equipa, não nos "fartamos" de ganhar e queremos sempre mais e mais.
Também pelo SLBenfica conquistaste cinco Campeonatos Nacionais, quatro Supertaças, três Taças Hugo dos Santos, três Troféus António Pratas e uma Taça de Portugal. Quando olhas para trás e avalias todas estas conquistas o que é que pensas do teu percurso?
Quando olho para trás e penso no percurso, quer no meu clube atual, quer na minha já longa carreira, sinto um enorme orgulho e já uma saudade de quando terminar a carreira, porque o basquetebol e o desporto são a minha vida e por isso tento aproveitar cada segundo, cada treino, cada jogo e cada troféu que ergo como se fosse o ultimo.
 Por fim, que mensagem gostarias de deixar a todos aqueles que te consideram um exemplo de força e que, como tu, amam o basquetebol e querem ter uma carreira nessa área?
O meu conselho será para irem atrás dos vossos sonhos e praticarem desporto seja o basquetebol ou outro qualquer e trabalhem para isso, nunca esquecendo os estudos e ouvindo sempre os vossos pais e os vossos treinadores, pois estamos sempre a aprender e aprendendo estamos a ser melhores.


Benfica campeões de Basquetebol 2008/2009

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Novidades

sexta-feira, abril 10, 2015 0 Comments
Boa tarde ! Fiquem atentos porque é já amanhã que vou publicar a próxima entrevista do blog ! A primeira entrevista foi realizada aos cantores Ricardo e Henrique, lembram-se? Desta vez o entrevistado é alguém ligado ao desporto, mais precisamente basquetebol... Conseguem adivinhar quem é? ;D

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Parabéns Rita !

quinta-feira, abril 09, 2015 0 Comments

Hoje passei por aqui só mesmo para desejar um ótimo aniversário a esta pessoa magnífica que tenho ao meu lado. A Rita é a minha melhor amiga, uma irmã mas, acima de tudo, um apoio para mim! Não vou estar aqui a escrever um texto gigante porque ela sabe o valor que ela tem para mim. Eu sou o tipo de pessoa que valoriza uma boa amizade e uma boa amizade merece um post no meu blog, aliás, merece todos os posts do mundo, por todas as vezes que já aturou as minhas birras e revoltas com o mundo, das vezes que esteve lá para me ajudar a curar a dor de um coração partido ou simplesmente da nota baixa que eu não estava à espera naquela cadeira. Ela está lá quando me apetece desistir de tudo, dos sonhos, das tentativas de ser alguém diferente e ajuda-me a perceber que nunca desistir é o lema!
É, Ritinha, às vezes gostava de ter a tua lata mas tu tens lata por mim, por ti e por toda a gente, estás sempre pronta para me ajudar e nunca me deixas ir abaixo e isso é de valorizar! Espero que os 20 te tragam muita felicidade, a maior felicidade do mundo! (Aviso já que atingida esta etapa vais começar a sentir-te mais velha e mais sensível que o normal ahah)
Obrigada por seres aquela amizade que nunca desilude e, acima de tudo, obrigada por todos os momentos de alegria, amizade e companheirismo.
Um exelente aniversário e que a tua maluquice se prolongue por longos e largos anos. <3

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Bebé morre esfaqueado

quarta-feira, abril 08, 2015 0 Comments
Como é que eu conseguia ir dormir descansada sem dizer umas coisas relativamente a este assunto? Pois, não ia. Um bebé de três meses foi esfaqueado pelo próprio pai, em Linda-a-velha. Se há coisas que mexem comigo são estas. Um crime, por si só, já é mau, então quando se tratam de crianças inocentes e indefesas não há motivo que lhes valha.
Sim, é verdade que vivemos num mundo em que há mais desumanos do que humanos, que matam só porque acham que é a solução para todos os seus problemas, que preferem discutir a resolver as coisas a bem ou agredir psicologica e fisicamente pessoas diferentes deles, mas crimes contra crianças são, provavelmente aqueles que me chocam mais. Aliás, é impossível para mim não ficar emocionada e muito sensível quando há qualquer tipo de agressão ou de maus cuidados para com uma criança, afinal se não fossem as crianças que inocência havia no mundo? Sim, eu sou a defensora da teoria de que as crianças são o melhor do mundo porque são mesmo. Não têm maldade, vêem a vida da forma que todos deveríamos ver, como se fosse uma brincadeira, e sabem aproveitá-la, sem preocupações ou obrigações.
Esta criança não vai ter a oportunidade de viver a vida da forma que ela iria escolher, não vai aprender a andar de bicicleta, não vai cair e esfolar os joelhos a jogar futebol ou fazer birra por não lhe darem o brinquedo que ele quer. Não vai querer ficar a dormir em vez de ir à escola, nem tirar a primeira negativa num teste, não vai chorar de alegria por ter realizado um sonho ou achar que o mundo vai acabar por ter perdido alguém e depois sorrir ao descobrir que há mais para além daquilo que ele pensava. Tudo isto me revolta, principalmente porque aquela criança não está mais aqui por culpa de alguém que deveria nutrir por ela um amor incondicional, que lhe deveria transmitir valores e protege-la dos perigos da vida.
É, isto pode parecer demasiado filosófico mas quando se trata de falar sobre crianças eu fico assim. Quem me conhece sabe que não lhes resisto, se calhar porque estou habituada a um mundo de pessoas egoístas e frias e nelas vejo esperança, vejo coisas boas, inocência e, acima de tudo, amor. Elas nutrem amor por nós desde o dia em que nascem e, na minha opinião, nem todas as pessoas percebem o amor que um filho tem pelos pais, aliás, acho que às vezes nem eles mesmos percebem. Sim, todos os filhos erram, fazem birras e dizem coisas de que se arrependem aos pais mas todos os filhos amam as pessoas que lhes deram amor desde pequeninos, exatamente por isso, porque lhes deram amor. E com este caso, deste pai que matou o seu filho de três meses, só consigo pensar no quão tenho de agradecer aos meus pais. Agradecer-lhes por me terem o bem mais precioso que todos temos, a vida. Agradecer por nunca me terem abandonado quando eu fui uma péssima filha, por terem aturado os meus choros durante tantas noites, por me terem ensinado tantas coisas e por nunca terem perdido a paciência quando eu tinha fases que nem eu mesma entendia. Isto sim, é amor de pais e nós, muitas vezes, não nos lembramos do amor que há na nossa família porque estamos mais interessados em pensar na festa que vamos ter na semana seguinte ou nas milhares de coisas que temos combinadas para o fim de semana. Mas quando estamos tristes é àqueles que nos deram vida que vamos pedir colo mas quando eles estão mal nem sempre estamos lá ou não percebemos porque estamos mais preocupados com o nosso umbigo. Ser jovem e adolescente não é desculpa, até porque se nós somos o que somos devemo-lo àqueles que nos criaram e educaram e que, ao contrário deste senhor que se livrou do filho como se fosse um fardo, sempre nos deram o que podiam e trabalharam não para eles mas para o nosso futuro.
A vida nem sempre sorri para nós mas quando ela nos nega esse sorriso nós temos sempre o sorriso daqueles que nos amam e que nos motivam a continuar, já alguém dizia "ninguém é feliz sozinho".

terça-feira, 7 de abril de 2015

Volta.

terça-feira, abril 07, 2015 0 Comments

Porque este blogue não se baseia só em escrita mas também em música, porque é na música que eu vejo um espelho de tudo o que sinto e, não podia deixar de partilhar esta música do Diogo Piçarra que me faz pensar em tantas coisas, que me acompanha em tantas lágrimas e sorrisos. É simplesmente perfeita. O que é nacional é bom!

Dia do Jornalista

terça-feira, abril 07, 2015 0 Comments





Hoje é o dia do Jornalista e, como tal, apesar das milhares de coisas que tenho para fazer, não poderia deixar de vir aqui escrever sobre este dia.
Na minha opinião o trabalho do jornalista deve ser valorizado ao máximo e tenho pena que nem toda a gente o faça. Desde que vim para Coimbra e entrei no curso, a maior parte das pessoas olha para mim de forma estranha quando digo que "estou em jornalismo", como se não fosse uma boa profissão para ninguém. Já ouvi testemunhos de estudantes que estavam num curso que não gostavam porque os pais não os deixaram seguir jornalismo, ou porque é para o desemprego, ou porque só trabalhas por cunhas, ou porque é muito perigoso, ou porque os jornalistas são todos uns chatos e blá blá blá. Mas não é assim, É claro que há os "jornalistas" e os JORNALISTAS, como em todos as profissões há quem exerça bem o que faz e quem, por outro lado, "manche" a imagem da profissão. Mas ser jornalista não é tirar um curso e andar atrás das pessoas o tempo todo a "chateá-las" como muitos pensam. Ser jornalista é informar, é gostar de estar informado, é correr perigos e gostar disso, é ter coragem e estar sempre pronto a viver novas aventuras e, acima de tudo, é transmitir a verdade. E ser jornalista não é tão fácil como muitas pessoas que eu conheço acham, dá trabalho sim. Nem todos podem ser bons jornalistas, pelo menos eu acredito nisso, e para seres realmente bom tens um percurso gigante pela frente, que não se adquire de um dia para o outro mas sim com treino e acima de tudo, muita paixão.Sim porque sem paixão nunca serás um bom jornalista porque quem não sente amor em correr riscos, em informar-se, em querer informar os outros nunca estará a 100% na profissão e ser jornalista não é uma profissão com horários definidos, tu não tens um expediente determinado, se és jornalista tens de o ser vinte e quatro sob vinte e quatro horas e, apesar do cansaço que por vezes sentirás, vais estar feliz ao máximo porque estás a fazer aquilo que amas.
É por isto que luto todos os dias, uma vez disseram-me que todos nascemos com um objetivo e o meu é este, é ser feliz a fazer aquilo que goste, custe o que custe, passe o tempo que passar e não me importa o que pensem ou digam, jornalismo vai ser sempre uma das profissões mais dignas que pode existir e eu vou sempre lutar por ela passe o tempo que passar.

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Me, myself and I.

segunda-feira, abril 06, 2015 1 Comments

Nem sempre estou inspirada ou com motivação suficiente para escrever aqui, sim, para eu escrever tenho de estar inspirada, escrever não é uma obrigação, é um prazer e, como tal, hoje não estou num daqueles dias em que me apetece escrever textos todos bonitos ou comentar seja o que for. Em contrapartida, apercebi-me que desde que criei este blog nunca falei sobre mim, é certo que já devem ter notado o meu lado extremamente sensível e "lamechas" mas nunca falei de mim de forma mais explícita, portanto fiquem atentos porque esse dia chegou.
Acho que o essencial a saber sobre mim é que sou tão romântica que às vezes irrito-me comigo mesma, acredito em coisas que a maior parte das pessoas não acredita ( tirando o príncipe num cavalo branco), mas sim, acredito em finais felizes, talvez até no destino e, acima de tudo, sou da opinião de que nada do que acontece, acontece por acaso. Pelo menos a minha vida ensinou-me a pensar assim e a não fazer planos porque quantos mais planos faço mais eles correm ao contrário e, felizmente, até agora tem sido sempre para melhor. Acredito que por mais coisas más que nos aconteçam há sempre coisas boas para chegar, já dizia o provérbio "depois da tempestade vem a bonança", deve ser por isso que sou tão positiva em relação à vida. Amo viver, tanto coisas boas como más, porque todas elas fazem parte de uma aventura e, para ser sincera, acredito que se tudo fosse perfeito e com felicidade todos os dias a vida não tinha graça nenhuma e nunca desfrutaríamos dos momentos felizes por completo porque a felicidade viraria rotina. Normalmente as pessoas nunca percebem o porquê de eu nunca ter pensado no quão bom ser imortal, mas para mim isso nunca fez sentido, acho que o bom da vida é mesmo isso, não saber até quando vamos estar vivos e aproveitar cada dia como se fosse o último vivendo intensamente sem pensar no ontem ou no amanhã, a magia da vida é mesmo essa, é o mistério de não sabermos quando vai acabar, por isso, por mais que eu ame a vida, não queria ser imortal, a lei é viver, crescer e morrer e acho que é aí que está a magia. Isto também me remete para o sonho e a curiosidade de querer experimentar todas as sensações na vida, amar, namorar, discutir, terminar, reconciliar, casar, viajar, ter uma família. O encanto da vida é esse mesmo, não saber o que vou estar a fazer daqui a 10 anos, quem serão as pessoas que estão do meu lado, quais já terão mudado de país ou cidade e quais apareceram para completar a minha felicidade.
Por outro lado, é certo que estou a estudar jornalismo e que sempre sonhei com o teatro mas gostava de experimentar um bocadinho de todas as profissões, é um sonho impossível mas, para mim, o ideal seria juntar um bocadinho de cada profissão do mundo e juntar todos os bocadinhos numa imensa bola de neve, mergulhar lá e experimentar todas porque em cada uma há alguma coisa que eu gosto e que me chama a atenção.
Outra coisa que eu gosto são abraços, abraços apertados têm mais significado para mim do que um beijo ou um "adoro-te", aliás, atrevo-me a dizer que abraços são a melhor coisa do mundo! Gosto de miminhos (sim, sou bastante mimada), gosto de surpresas, gosto de sentir que as pessoas gostam de mim e que se preocupam comigo e, acima de tudo, gosto que estejam do meu lado quando mais preciso. Lá está a minha vertente lamechas e sensível, sou tão sensível que choro com a maior parte dos filmes, choro com animais, com pessoas, bem, eu choro basicamente por tudo, de felicidade, de tristeza, não importa o motivo mas é através dos olhos que vocês conseguem ler o que estou a sentir e o que me passa na cabeça porque os meus olhos, definitivamente, dizem tudo.
Bem, acho que por hoje chega de falar de mim, talvez um dia eu vos conte mais, sobre coisas que me fazem feliz ou coisas que me irritam, talvez vos deixe conhecer-me melhor... Pois, uma coisa que não referi, não é toda a gente que me conhece bem, por isso se me conheces bem e percebes o significado de cada manifestação minha, considera-te sortudo/a porque significa que te deixei entrar na minha vida.

sábado, 4 de abril de 2015

Pensamentos....

sábado, abril 04, 2015 0 Comments
Ontem fui dar uma volta pelo parque no Porto e, não sei descrever o quão é estranho e ao mesmo tempo bom, estares sentada e ver as pessoas que passam por ali.
Sei lá, acho interessante olhares fundo nos olhos delas e tentares imaginar as suas vidas. Serão casadas? Terão filhos? Será feliz ou será que chora todas as noites? É interessante perceber que cada pessoa tem uma história e que, qualquer uma das milhares de pessoas por quem passas na rua, pode ter exatamente os mesmos sonhos que tu, as mesmas dores, os mesmos sentimentos, aliás, ela pode olhar para ti e pensar exatamente o que tu estás a pensar e tu nunca vais saber.
E se, por mero acaso, uma daquelas pessoas um dia vier a ser alguém importante na tua vida? Nunca vais saber. Nunca vais saber que a tua colega de faculdade foi aquela que esteve no mesmo dia que tu naquele supermercado à tua frente na caixa ou que, o teu namorado já esteve na mesma rua que tu milhares de vezes e vocês nunca repararam um no outro.
É, eu adoro olhar para as pessoas e tentar adivinhar as histórias que vão dentro delas, mas o que gosto mesmo é notar a diferença de gerações que passam à minha frente e pensar que todas as pessoas vão passar por todas aquelas gerações. Como um bebé, tão inocente e frágil, nunca se perguntaram o que é que será dele no futuro? Será bom, mau? Médico? Cantor? E os casais que aparentam estar felizes? Será que em casa serão mesmo felizes ou terão milhares de problemas que escondem por trás de sorrisos? E os casais mais velhinhos, que só de olhares para eles sabes que estão juntos há anos, nunca pensaste no que poderão já ter passado ao longo da sua vida? Se realizaram os seus sonhos, quantos obstáculos tiveram de superar, quantas vitórias conseguiram alcançar juntos... Tudo isto me faz gostar de pessoas, aliás, acho que as pessoas são a melhor coisa do mundo. É bom saíres de casa e veres tantas pessoas a fazer o mesmo que tu, a viver realidades diferentes da tua mas todas aqui, no mesmo planeta. É incrível como existe tanta gente no mundo e todos querem a mesma coisa, ser felizes.
Na minha opinião é assim que devemos encarar os outros, vê-los como outro "eu" e imaginar as suas histórias antes de pensar em julgá-los. É verdade que às vezes é difícil não julgar pessoas diferentes de nós mas não custa nada tentar certo?


sexta-feira, 3 de abril de 2015

Entrevista Ricardo e Henrique

sexta-feira, abril 03, 2015 1 Comments
Dias após o concerto no Teatro Tivoli, o blogue Viagens pelo Mundo teve a oportunidade de entrevistar a dupla Ricardo e Henrique. Revelando um amor imenso pela música, eles dão-nos o exemplo de que não devemos desistir dos nossos sonhos e que, com força, tudo se consegue. Resta realçar que o Ricardo foi o porta-voz da dupla durante a entrevista.





Em que circunstâncias surgiu o vosso grupo?
O nosso grupo Ricardo e Henrique surgiu na época de 1999, no programa “Big Show SIC”, pelo qual fomos gravar o primeiro álbum ao Brasil com uma banda muito conceituada os Yahoo. O primeiro álbum foi o Vale a pena amar que vendeu mais de 60 mil cópias.

Que tipo de aceitação sentiram por parte do público ao longo destes anos?
Sentimos que cada vez estamos mais sólidos no panorama musical e,hoje, passado 15 anos, consideramos o nosso público uma família- a família RH. Eles percorrem quilómetros para nos verem.

Relativamente ao estilo musical, a maior parte das pessoas acha que só cantam música romântica mas vocês abordam outros estilos certo?
Claro que sim. O Ricardo e Henrique vão sempre ser cantores românticos mas cantamos vários estilos musicais. Temos desde o country dance, kizomba , reggae, pop e baladas intemporais. Queremos ser uma dupla versátil.

Sei que estiveram “parados” durante quatro anos. Como viveram este período?
Nunca estivemos totalmente parados. Sim, estivemos parados fora da tv, dos media, mas sempre a trabalhar. Tivemos um período complicado já que todos os artistas infelizmente passam por certos momentos que não desejam mas a vida é mesmo assim. Isso faz-nos crescer como seres humanos. Estivemos concentrados na escrita e sempre a lutar para voltarmos ao panorama musical e, em 2010, juntámo-nos à editora Espacial e estamos de pedra e cal novamente para nunca mais parar.

Sendo que o vosso grupo foi formado por acaso, como é a vossa relação fora dos palcos?
A nossa relação é como família. Se não fosse assim não estávamos juntos há 15 anos, o que temos a dizer um ao outro dizemos e não guardamos nada para nós e é assim que nós mantemos a nossa relação e a nossa amizade.

Após esses quatro anos fora do palco, como se deu o regresso da dupla?
A nossa volta ao panorama musical deu-se em 2010 com o nosso best of onde fizemos 10 anos de carreira, e começámos da melhor maneira ao subir ao palco do coliseu de Lisboa no aniversário da nossa editora.

Após esse regresso como tem sido o vosso percurso até aos dias de hoje?
O percurso tem sido muito produtivo. Cada vez somos mais reconhecidos pelo nosso trabalho, principalmente desde o tema hey até ao paranpampam e depois ao ta maluca. Cada vez temos mais pessoas a aderirem ao nosso trabalho, desde as crianças até aos adultos e para nós era isso que queríamos: agradar a todos.

Ao longo destes anos de carreira, certamente passaram por vários momentos especiais. Qual foi aquele que mais vos marcou?
Temos muitos momentos que nos marcaram e esperamos que venham mais. Claro que temos alguns, podemos falar dos mais recentes, como por exemplo, termos estado no Meo arena e no coliseu do porto a fazer a primeira parte do artista internacional Luan Santana. As pessoas adoraram a nossa prestação em palco, inclusive a equipa toda do artista Luan Santa. O próprio Luan deu-nos os parabéns e disse “Miúdos têm de ir para o Brasil, eram um sucesso”. E, claro, agora o nosso primeiro concerto de sala no Tivoli que foi mágico e estamos super felizes.

Qual o balanço que fazem destes 15 anos na luta pelo vosso sonho?
Fizemos 15 anos em Novembro do ano passado e o balanço que podemos fazer é que foi como muito sangue, suor e lágrimas. Nada é fácil na vida mas se fosse fácil não tinha gozo. Para nós tem sido muito bom, temos tido muitas vitórias e esperamos ter ainda mais. O sonho comanda a vida.

Como viveram a experiência de poderem cantar no Tivoli?
Foi um sonho concretizado. A nossa primeira grande sala, uma sala emblemática que é o Tivoli por onde já passaram grandes artistas, grandes musicais, e sabemos que marcámos o nosso momentos naquele teatro, que ficará gravado não só nas nossas memórias mas também nas memórias das pessoas que foram. Mas também pensámos nas pessoas que não puderam estar presentes e essas podem adquirir o dvd que gravámos.

Sei que têm muitos fãs que fazem tudo para demonstrar o amor que sentem por vocês. Qual é a relação que têm com eles?
Para nós os nossos fãs são tudo, aliás, não são fãs, são a nossa família- a família RH. Temos uma relação de família, ganhámos tudo com eles, ouvimos as palavras deles, damos conselhos, somos por vezes a orientação dessas pessoas e, para nós, é uma grande responsabilidade. Ficamos muito felizes por saber que temos tanta gente a gostar de nós.

      Qual o segredo para tanto sucesso?
O segredo é sermos nós próprios, fazermos sempre música que agrade a todos.

Por último, querem deixar uma pequena mensagem aos vossos fãs?
FAMÍLIA RH 15 ANOS SEMPRE JUNTOS.OBRIGADO!




Ricardo e Henrique no Tivoli



Ricardo e Henrique no Sábado Especial



Até logo, Diamond!

Obrigada pela visita!
Volta Sempre :)